Artigos

Conheça os 10 volantes mais feios da história da indústria automotiva

Importante em todo e qualquer carro, alguns fabricantes conseguem destoar e às vezes a peça foge do padrão. Separamos os 10 volantes mais feios da história para te mostrar.

Anúncios

por Murilo C.

Publicado em 11/07/2021

Os 10 volantes mais feios da história

Embora inovações no setor automotivo sejam importantes, nem sempre é fácil inovar e conquistar beleza de maneira conjunta. Alguns itens até permitem variações, mas falando de essência, pouca coisa muda. Rodas, para-brisa e lanternas são exemplos clássicos, mas quando tentam mudar a direção, a coisa pode dar errado, como vamos mostrar hoje com os volantes mais feios da história. 

image

Os carros mais feios já produzidos

Show de horrores: Saiba quais são os 20 carros mais feios já produzidos.

Quando analisamos os carros de anos atrás com um carro atual, o volante é um item que também evoluiu bastante ao longo do tempo. 

No entanto, tentativas de inovações radicais na maioria das vezes não são bem vistas e resultam em rejeição por grande parte dos motoristas. 

E é justamente sobre isso que nós vamos falar hoje. 

Os especialistas do Senhor Carros se debruçaram em pesquisas e selecionaram nada mais do que os 10 volantes mais feios da história do automobilismo. 

Alguns deles até foram resultado de boas ideias, mas outros, realmente não tinham como funcionar. 

De forma prática nenhum deles foi capaz de quebrar os padrões impostos e entregar as inovações que as montadoras desejavam. 

E aí? preparado para um show de feiúra e monstruosidade? 

Vamos conhecer então, os volantes mais feios, e por que não bizarros da história!

Anúncios

Os 10 volantes mais feios da história do automobilismo

Antes de te mostrarmos os 10 volantes mais feios da história, é preciso dizer que essa lista foi criada levando em consideração bom senso e funcionalidade. 

Você pode até não concordar com alguns dos volantes que vamos mostrar aqui hoje, mas certamente vai admitir que algumas das opções são bem estranhas. 

Se prepare para o show de esquisitices que está prestes a começar. 

10. Volante de cubo fixo do Citroën C4

O primeiro dos volantes mais feios da história da nossa lista é um velho conhecido de alguns brasileiros. 

Inicialmente ele não aparentava ser diferente dos demais volantes da época. 

Volante de cubo fixo do Citroën C4 marcou época, mas não era funcional!
Volante de cubo fixo do Citroën C4 marcou época, mas não era funcional!

Mas ao olhar com um pouco de atenção é fácil perceber que ele possui um diferencial: seu cubo central é fixo.

Com isso, apenas o aro ao redor gira e não a peça inteira.

Ao desenvolver o componente com essa característica, a montadora francesa teve a intenção de melhorar o funcionamento do airbag, que é sempre disparado de um ponto fixo.

Isso não acontece em uma peça normal, que pode estar girada no momento da colisão.

Outra grande vantagem adicional desse volante era a facilidade de manuseio dos botões, pelo mesmo motivo: ficavam fixos. 

Apesar das vantagens, a montadora acabou abandonando o sistema a partir da segunda geração da linha C4.

O motivo? A peça era complexa demais e tinha um processo de fabricação mais caro. 

Anúncios

9. Volante do Pagani Zonda R

Quando falamos de superesportivos, de maneira geral as coisas mudam um pouco.

Nesse segmento, existe uma margem para sair do comum, quando há comparação com veículos convencionais.

No entanto, o volante do Pagani Zonda R foi um dos pontos que mais chamaram atenção no superesportivo, mesmo quando comparado ao de outras máquinas poderosas

A peça era multifuncional ao extremo, e incorporava inclusive o conta-giros! 

Volante do Pagani Zonda R: feio e bizarro!
Volante do Pagani Zonda R: feio e bizarro!

Até pode fazer sentido colocar esse mostrador em uma posição destacada dentro de um esportivo.

Afinal, em treinos, o conta-giros é mais importante que o velocímetro. 

Na prática, fica difícil saber se essa posição trazia vantagens, mas provavelmente, não! 

Isso porque a Pagani não utilizou mais esse volante em outros exemplares. Natural, já que se trata de um dos volantes mais feios da história. 

8. Volante do Renault 5 Turbo

Quando olhamos o interior do Renault 5 turbo já conseguimos concluir que se trata de algo peculiar que foge totalmente do convencional. 

O painel é uma mistura maluca que mais parece uma nave espacial e o volante ajuda a compor esse ambiente. 

Nesse caso, a diferença não é apenas a feiúra, mas o design assimétrico com dois raios – um na horizontal e outro na vertical. 

Como o aro mantinha o formato circular, em teoria não havia nenhum prejuízo na hora de pilotar. 

Volante do Renault 5 Turbo: nada belo e pouco funcional
Volante do Renault 5 Turbo: nada belo e pouco funcional

No entanto, muitos compradores estranharam e criticaram essa criação monstruosa da Renault, que compreendeu que tinha produzido um dos volantes mais feios da história e nunca mais fez nada parecido. Ainda bem!

7. Volante do Aston Martin Lagonda

Quem for mais atento, vai notar que esse volante é muito semelhante com a primeira opção que mostramos, o do C4. 

A arte de criar volantes de um raio só algo com DNA francês, mas o volante que mais marcou com essa característica é o do Aston Martin Lagonda. 

De acordo com a montadora inglesa, o objetivo com essa peça era de facilitar a visão melhor dos instrumentos, que por sinal, já eram digitais.

Volante do Aston Martin Lagonda parecia flutuar
Volante do Aston Martin Lagonda parecia flutuar

O conjunto todo formava um visual futurista e ao mesmo tempo minimalista. Se pensarmos que era década de 70, era uma verdadeira revolução. 

No entanto, o cubo descentralizado passava a impressão de que não havia uma coluna de direção. 

Do ponto de vista estético, o resultado divide opiniões até hoje. Para nossos especialistas, não há dúvidas: é um dos volantes mais feios já criados. 

6. Volante quadrado do Austin Allegro

Volante só pode ser redondo, certo? Errado! 

Na verdade não é bem um quadrado, mas sim um elíptico, sem arestas. Uma inovação aplicada pela Austin no Allegro. 

De acordo com a fabricante, o objetivo era proporcionar uma melhor ergonomia!

Quando lançou o Allegro no ano de 1973, a Austin fez um marketing agressivo, dizendo que se tratava de um carro inovador. 

Volante quadrado do Austin Allegro: decepcionante
Volante quadrado do Austin Allegro: decepcionante

Mas na verdade, a única coisa inovadora era a direção! 

Com uma mecânica antiga e design controverso, o modelo se tornou um fracasso, mas antes de sair de linha, a montadora trocou o volante quadrado por um circular. Menos mal.

5. Volante oval do Plymouth Fury

Depois do volante quadrado, agora temos o volante oval. 

A responsável por essa inovação foi a estadunidense Plymouth no modelo Fury. 

O formato que chamou bastante atenção, tinha como objetivo dar um futurista ao veículo. 

Volante oval do Plymouth Fury: pioneiro sem querer
Volante oval do Plymouth Fury: pioneiro sem querer

Curiosamente, a solução de certa forma acabou prevendo o futuro, afinal, se analisarmos, existem hoje alguns veículos que possuem volantes ligeiramente ovais, com base e topo achatados. 

No entanto, em 1960 esse volante não agradou e ficou conhecido como um dos volantes mais feios da história. 

Tanto que a marca acabou voltando ao formato circular dois anos depois. 

4. Volante câmbio da Gama Edsel

A Norte Americana Edsel é normalmente lembrada como um dos maiores fracassos comerciais da história da indústria automotiva. 

Parte desse fracasso sempre foi atribuído ao design de seus produtos. 

A marca que integrava o Grupo Ford entrou no mercado no ano de 1958 e durou apenas até 1960. 

Volante câmbio da Gama Edsel: feio e perigoso
Volante câmbio da Gama Edsel: feio e perigoso

Entre as extravagâncias dos veículos, havia um volante com botões que serviam para operar o câmbio. Isso mesmo, o câmbio!

Se pararmos para pensar nas borboletas dos dias de hoje que servem para trocar de marchas, podemos dar algum crédito à Edsel. 

No entanto, devido à tecnologia da época o sistema de botões rapidamente se tornou uma fonte de problemas.

E para piorar a situação, a posição no centro da direção não era nenhum um pouco ergonômica. 

Assim, podemos dizer que além de ser um dos volantes mais feios da história, ele era também um dos menos funcionais. 

Não é à toa que a marca durou pouco, não é mesmo?

3. Volante Bala da Cadillac

Depois da Segunda Guerra Mundial, o design automotivo passou a utilizar elementos bélicos e espaciais para chamar a atenção e atrair clientes. 

Nos Estados Unidos em especial, alguns ornamentos remetiam a foguetes, ogivas e jatos, principalmente nos veículos considerados de luxo. 

Volante Bala da Cadillac, literalmente uma bala!
Volante Bala da Cadillac, literalmente uma bala!

A Cadillac foi uma das montadoras que lançou essa tendência e ofereceu um volante com essa temática. 

Embora fosse um volante sem muita beleza, havia um pequeno problema: a direção em formato de ogiva, que era o seu maior diferencial o transformava em uma verdadeira arma apontada para o motorista. 

Isso porque era capaz de causar ferimentos em casos de acidentes. É importante lembrar aqui, que nessa época os veículos ainda não contavam com cintos de segurança. 

No ano de 1954 um acidente com o famoso cantor Sammy Davis Jr chamou atenção. 

Na ocasião, Davis Jr. perdeu o olho depois de uma colisão. Em seguida, a Cadillac tirou o volante bala de linha. 

2. Volante hélice do Spyker C8

A fabricante holandesa de veículos superesportivos se inspirou na aviação para criar um volante que se diferenciasse dos demais, mas o tiro acabou saindo pela culatra. 

Volante hélice do Spyker C8: nem um pouco funcional
Volante hélice do Spyker C8: nem um pouco funcional

Sem airbag e com toda a seção central confeccionada em metal, além de ser um dos volantes mais feios da história, trata-se de uma peça pouco funcional. 

Além de não garantir segurança, a direção ainda atrapalha a visão dos instrumentos do painel. 

1. Volante do Tesla

Não é porque algo foi desenvolvido pela Tesla que é bom ou bonito. 

Lançado recentemente, o novo volante em formato de manche desenvolvido pela Testa para o Model S tentou ser inovador, mas se mostrou pouco funcional. 

A fabricante diz que a vantagem é a melhor visão do painel de instrumentos. 

Volante do Tesla: sem apoio suficiente
Volante do Tesla: sem apoio suficiente

No entanto, a experiência de manejo é bem diferente da proporcionada por uma peça de formato convencional. 

A peça já vem sendo criticada por proprietários do veículo: a principal queixa é a dificuldade para realizar manobras de estacionamento. 

Além da óbvia falta de local apropriado para colocar as mãos nesse tipo de situação, uma vez que não há um aro, os motoristas afirmam que acabam esbarrando involuntariamente nos comandos posicionados no volante em formato de manche. 

Assim, além de ser um dos volantes mais feios da história, a peça tem se mostrado pouco funcional. 

Mas a marca não vê problemas, já que aposta que em breve ele será uma peça de museu. 

Isso porque, devido às tecnologias de mudança autônoma, o grande objetivo da montadora é que os carros andem sozinhos. 

Nós particularmente não achamos a menor graça ter um carro e não poder dirigi-lo, mas ao que tudo indica é assim que será o futuro. 

Conclusão

Como todo e qualquer motorista sabe, o volante é parte importante da condução. Dessa maneira, antes de ser bonito é preciso que seja funcional. 

Já dizia Leonardo da Vinci: a simplicidade é o auge da sofisticação!

Que a partir de agora as montadoras mantenham a lógica de que quanto mais simples, mais bonito e sofisticado será um volante. 

E agora que você já sabe quais são os 10 volantes mais feios da história da indústria automotiva, que tal conferir os 20 carros mais feios já produzidos?

Para saber quais são os maiores horrores sobre rodas, é simples: basta clicar abaixo!

Os carros mais feios já produzidos

Show de horrores: Saiba quais são os 20 carros mais feios já produzidos.

Sobre o autor

Murilo C.

Redator especialista em carros, se identifica com conteúdos relacionados a lançamentos e análises de veículos e acredita que compartilhar conhecimento na área ajuda todos a tomarem melhores decisões em busca do veículo ideal para cada tipo de perfil.

Em Alta

content

Evolução do Ford Ka: O Carro Simples Que Alcançou O Topo

O Ford Ka é um carro simples, mas conquistou o seu espaço e se tornou o carro mais vendido da Ford no Brasil. Clique para ver a evolução do Ford Ka!

Continue lendo
content

Qual o melhor lugar para comprar carro usado: concessionária ou proprietário?

Seja com concessionária ou proprietário, comprar carro usado exige uma boa avaliação antes de fechar negócio. Então, veja aqui qual escolher!

Continue lendo
content

Investir em um Porsche rende mais que poupança

Investir em um Porsche rende mais que a poupança e tem se tornado um negócio para poucos nos dias de hoje. Saiba mais sobre isso aqui!

Continue lendo

Listas

Maserati MC20: Saiba tudo sobre o veículo que também vem ao Brasil

Saiba tudo sobre o novo Maserati MC20 superesportivo da marca italiana que confirmou que vem ao Brasil. Os números são incríveis!

Maserati MC20 vem direto da Itália

O Maserati MC20 foi apresentado recentemente e tem uma dura missão pela frente: suceder o MC12.

Em 2004, a montadora italiana marcou seu regresso às competições com o lançamento na época do MC12 e colocou ponto final em sua ausência que já perdurava 37 anos. 

Entre os anos de 2004 e 2010 a Maserati competiu no campeonato internacional de protótipos o FIA GT conquistando 22 vitórias.

Dessas glórias, três foram nas 24 horas de Spa disputadas na desafiadora pista belga. Nesses 6 anos,14 campeonatos foram conquistados incluindo construtores, equipes e pilotos. 

Agora em 2020 a marca volta com um novo bólido cuja sigla MC faz referência à Maserati Corse  que pode ser traduzido para o português como Maserati de corrida. 

Se você se amarra em superesportivos, então não pode perder o artigo de hoje. Bora conferir?

Maserati MC20: O início de uma nova era

A Maserati tem como berço a bela cidade italiana de Modena e o fato de ser bem nascida dá a ela uma missão um tanto quanto árdua. 

A montadora italiana hoje faz parte do Grupo Stellantis – que nasceu de uma fusão da FCA e da PSA. A intenção do novo grupo e dar atenção especial a todas as marcas envolvidas nessa união. 

Assim a missão do Maserati MC20 é dar início a uma era para todas as marca e recuperar o espaço perdido para concorrentes tanto nas ruas quanto nas pistas de corridas. 

Motorização

O motor do MC20 é um biturbo 3.0 V6 desenvolvido pela própria Maserati e é capaz de alcançar 630 cavalos junto a um incrível torque de de 74,4 kgfm. 

Essa unidade de potência é dotada ainda de tecnologia de Fórmula 1 com um sistema de injeção dupla e combustão pré-câmara o que permite ganhos extras de potência. 

Acoplado a esse motor especial está uma transmissão de dupla embreagem de 8 velocidades que envia potência para as rodas traseiras através de um diferencial de deslizamento limitado. 

Com todo esse aparato tecnológico o MC 20 atinge os 100 km/h em 2,9 segundos e consegue alcançar incríveis 325 km/h de velocidade máxima. 

Design computadorizado

Como muitos sabem um veículo esportivo não é feito apenas de motor. A aerodinâmica também tem grande influência quando o assunto é performance. 

Sendo assim o design e a aerodinâmica do Maserati MC20 foram desenvolvidos e aperfeiçoados por meio de muito trabalho. 

A equipe de projetistas realizou mais de mil simulações de computador no túnel de vento da Dallara – Empresa também italiana e construtora de carros de competição para as mais diversas categorias entre elas Fórmula 1 e Fórmula Indy. 

Com todo esse trabalho de simulação o MC20 possui um coeficiente de arrasto menor do que 0,38 o que lhe confere maior estabilidade e carregamento de velocidade sem nenhum tipo de perda. 

Alto poder de aderência

Além de todo o poder aerodinâmico outro item que chama atenção no MC20 é o seu alto poder de aderência.

O modelo dispõe de linhas fluídas sem nenhum tipo de apêndice móvel e com um pequeno spoiler. Tudo isso foi pensado para melhorar o downforce.

A suspensão possui amortecedores ajustáveis o que dá ao veículo um alto poder de aderência. O Maserati MC20 literalmente gruda no chão. 

Tão importante num esportivo quanto o poder de aceleração é a capacidade de frenagem. Logo o modelo possui freios Brembo com discos carbo-cerâmicos de 390 mm de diâmetro nas rodas dianteiras e 360 mm nas traseiras com triângulos duplos nos dois eixos. 

Relação peso x potência

O peso de 1468 kg e a potência de 630 cavalos fazem do modelo um carro com excelente relação peso x potência o valor exato é de 2,33 kg para cada cavalo. 

Esse índice só é possível graças a utilização de material de boa qualidade como a fibra de carbono conhecida pelo seu baixo peso e alto poder de resistência. 

Dimensões

Com espaço para apenas dois ocupantes o MC20 é considerado um coupé. O superesportivo possui 4.660 mm de comprimento, 1.965 mm de largura, 1.221 mm de altura e 2.700 mm de distância entre-eixos. 

O modelo possui dois porta-malas: Um na parte dianteira e outro na parte traseira. Ambos somam ao todo apenas 150 litros de capacidade 

Minimalismo interno

O interior do modelo possui um minimalismo pouco usual para um carro esportivo e de luxo

As principais funções estão agrupadas na tela da central de multimídia de 10 polegadas ou então no próprio volante que reúne botões de partida do motor e controle de largada. 

Por fim no console há um botão giratório cuja função é permitir a seleção dos cinco modos de condução que são: 

  • Wet: Pista molhada;
  • GT;
  • Sport;
  • Corsa;
  • ESC Off: controle de tração e estabilidade desativado. 

E como não poderia deixar de ser por ser um Maserati as portas do MC20 abrem para cima!

Versão híbrida e elétrica são esperadas

E seguindo a tendência do setor automotivo mundial além da versão apenas à combustão o MC 20 estará disponível também em uma versão híbrida e outra 100% elétrica. 

De acordo com a montadora a futura versão elétrica vai acelerar de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e tem velocidade máxima de 310 km/h. O MC20 elétrico tem autonomia para rodar 323 quilômetros. 

A Maserati ainda não divulgou nenhum tipo de informação extra sobre as especificações da versão híbrida do superesportivo. 

Maserati MC 20 Preço 

Nesse momento você deve estar se perguntando: Ok, mas e aí…Qual é o preço do Maserati MC 20?

Como era de se esperar esse é um modelo exclusivo e para pouco. O valor do superesportivo foi anunciado pela bagatela de US$ 210 mil, aproximadamente R$ 1,2 milhão. 

A montadora já confirmou que o veículo estará disponível para venda no Brasil. 

Conclusão

Superesportivos são o sonho de consumo de muitas pessoas no entanto são veículos destinados a um público um tanto quanto exclusivo. 

Além disso por conta de seus detalhes de produção não é absurdo algum afirmar que o MC20 é um carro de corrida. Assim seu uso em vias urbanas e até mesmo em estradas deve ser feito de maneira comedida. 

Dessa maneira se você está pensando em comprar um exemplar é importante levar em consideração a necessidade de participar de trackdays. Afinal só em uma pista de corrida será possível extrair todo o potencial dessa verdadeira joia sobre roda. 

E você? O que achou do Maserati MC20? Gostou? Não gostou? Teria um exemplar na garagem? Tem algum outro modelo superesportivo do qual você gostaria de saber mais um pouco? Deixe um comentário pra gente. Sua participação é muito importante. 

E depois de falar de um superesportivo que tal conhecer outro? 

Para isso é só acessar o nosso link abaixo e saber tudo sobre o Lamborghini Essenza SCV12 um esportivo proibido para as ruas. 

Você também pode gostar

content

O primeiro carro das celebridades: você vai ficar surpreso com suas escolhas!

Você saberia responder qual foi o primeiro carro das celebridades?! Se não, mas quer saber mais sobre o assunto, então não deixe de ler nosso post.

Continue lendo
content

Carros usados com desconto

Descubra quais os melhores carros usados com desconto e quais foram os mais comprados em 2019 antes de escolher qual modelo ou versão é ideal para você.

Continue lendo