Listas

Prós e contras do Hyundai HB20: Como é ser dono de um exemplar

Conheça todos os prós e contras do Hyundai HB20 e saiba como é ter um exemplar do vice líder de vendas para encarar a rotina do dia a dia.

por

Murilo C.

Publicado em

ANÚNCIOS

Prós e contras do Hyundai HB20

Quando a primeira geração do compacto chegou por aqui em 2012 seus concorrentes eram apenas VW Gol e Fiat Palio. O modelo sul-coreano chegou fazendo estardalhaço e logo tomou a ponta nas vendas. Hoje os tempos são outros, mas o modelo mostra que ainda tem lenha pra queimar. Hoje vamos te mostrar quais são os prós e contras do Hyundai HB20

Prós e contras do Hyundai HB20

Se você está pensando em comprar um exemplar de HB20 para enfrentar os percalços diários, não deixe de conferir o artigo de hoje. Ele é um verdadeiro norteador para os indecisos. 

Bora conferir?

Conheça todos os prós e contras do Hyundai HB20

Conheça agora quais são os prós e contras do Hyundai HB20 e ao término da sua leitura coloque na balança se vale a pena ou não comprar um exemplar para você e toda sua família.

Pró: Design diferenciado

Muita gente não gostou da última reestilização pela qual o hatch sul-coreano passou. 

No entanto, da mesma forma que muitos não gostaram, há muita gente que achou que o veículo precisava mudar. 

Nós do Senhor Carros somos adeptos de mudanças ao longo do tempo e assim com um pouco de calma e paciência chegamos à conclusão de que o novo layout do modelo está longe de ser feio.

Uma prova clássica disso são os números de vendas. O HB20 em 2020 foi o segundo carro mais vendido no Brasil.

E como muita gente sabe, brasileiro não compra carro feio. Assim, podemos afirmar sem sombra de dúvidas que o design do HB20 é sim, um ponto positivo no modelo. 

Pró: bom desempenho e consumo

Um grande destaque na nossa lista de prós e contras do Hyundai HB20 é o seu desempenho aliado ao consumo de combustível. 

Mesmo com três opções diferentes de motor diferentes, o HB20 apresenta bom desempenho tanto no uso urbano quanto no uso rodoviário. 

O condutor dificilmente passa perrengue. 

As respostas são ágeis na cidade e o carro anda muito bem na estrada. Chega até ser difícil de perceber que você está andando rápido demais. 

Em todas as opções de motorização o câmbio apresenta um bom escalonamento e engates precisos, o que torna a tocada divertida e gostosa. 

E pra fechar com chave de ouro a questão da motorização e câmbio, o veículo entrega aos condutores um consumo muito bom, tanto quanto etanol, quanto com gasolina no tanque. 

Pró: Espaço interno e conforto

Aqui temos um ponto muito importante, principalmente por se tratar de um carro hatch. 

O HB20 sempre fora confortável na parte da frente, mas eram comuns algumas reclamações de pouco espaço no banco traseiro. 

Entretanto essa falta de espaço chegou ao fim. 

Espaço
Modelo é amplo e confortável

O modelo 2021 ganhou quase 5 centímetros a mais de espaço para as pernas no banco do traseiro, o que é muita coisa. 

Com isso, os passageiros ganham com conforto tanto em pequenos quanto em grandes deslocamentos. 

Já que estamos falando de espaço, algo importante de se mencionar é que embora o porta-malas não seja grande coisa, com seus 300 litros é possível rebater totalmente os bancos traseiros. 

Com isso, a capacidade de carga do HB20 ultrapassa os 900 litros. 

Pró: Segurança

Antigamente os hatches eram conhecidos por seu preço baixo aliado à falta de segurança. 

Inclusive o hoje campeão de vendas, Chevrolet Onix já foi um dos piores em nota de testes de colisão. 

Felizmente isso mudou. 

Hoje o HB20 conta com uma série de sistemas e acessórios voltados à segurança de todos os ocupantes. 

A lista é grande. O modelo tem à disposição: controle de tração estabilidade, assistente de partida em rampa, câmera de ré, sistema de frenagem autônomo, alerta de mudança de faixa, 4 airbags, sensores de pressão nos pneus e cinto de três pontas. 

Quem compra um HB20 hoje, tem a certeza de que está comprando um veículo seguro. 

Pró: Dirigibilidade

A combinação motor e segurança conferem quase que de maneira automática uma excelente dirigibilidade ao HB20. 

Aliado a esses dois itens é preciso reiterar o trabalho da suspensão. 

Embora a plataforma seja a mesma da versão anterior, o modelo recebeu ajustes nas suspensões dianteiras e traseiras. 

Segurança
Segurança e dirigibilidade agradam

Esses ajustes tornaram HB20 ainda mais firme em termos de estabilidade. Quem pilota, afirma que tem o carro literalmente na mão. 

Sendo assim, a dirigibilidade é algo que merece ser exaltada. 

Pró: conectividade

A tecnologia avançou em nossas casas e os carros não ficaram para trás. Principalmente quando se fala em conectividade. 

Hoje um veículo que não tenha a disposição gadgets e equipamentos tecnológicos dificilmente sobrevive, o que não é o caso do HB20.

O principal ponto da conectividade do HB20 é a nova central Multimídia compatível com celulares com sistema Android e IOS. 

Por meio dela é possível espelhar aplicativos dos celulares, como Whatsapp, spotify, Waze, Google Maps e muitos outros, além de receber e realizar ligações. 

O sistema se torna ainda mais completo com entradas USB no console e volante multifuncional que permitem o controle de comandos sem tirar a mão da direção. 

Pró: Valores das revisões

Tão importante quanto comprar um carro é conseguir mantê-lo de maneira adequada. 

Sabe-se hoje que para que um veículo tenha a garantia de fábrica mantida é preciso realizar suas revisões dentro do período estipulado pelas concessionárias.

Trata-se de um gasto que deve ser levado em consideração por todos aqueles que desejam comprar qualquer veículo.

A boa notícia para quem está pensando em comprar um HB20 é que o modelo tem os valores de revisões mais baratos entre os hatches e isso é algo que não pode ser deixado de lado em hipótese algum.

Contra: Preço

Dando início aos pontos negativos da nossa lista de prós e contras do Hyundai HB20 temos o preço como um fator que em um primeiro momento pode afastar possíveis compradores. 

O modelo parte da faixa dos R$ 48 mil e pode acabar encostando nos R$ 80 mil. é uma disparidade importante a ser analisada. 

Cabe a cada futuro comprador fazer uma análise detalhada de custo x benefício de acordo com a realidade. 

Contra: Equipamentos apenas nas versões superiores

Como em muitos outros modelos de carros, o HB20 começa um tanto quanto pelado nas versões mais básicas. 

Entretanto é importante ressaltar que isso não é um defeito do modelo, mas sim uma prática normal no mercado automotivo brasileiro. 

Interior
Quanto mais caro mais equipado é o Hyundai HB20

Conforme as versões vão se tornando superiores (e mais caras), os acessórios dos mais variados tipos vão surgindo e o carro vai se tornando mais completo. 

Entretanto isso não deve ser considerado um entrave na hora de avaliar se compra ou não um HB20.

Contra: Barulho interno e um pouco de vibração

Reclamações provenientes de barulhos internos e um pouco de vibração eram comuns nas gerações anteriores do HB20. 

Mesmo com alterações de design e construção do veículo esses problemas ainda se mostram presente no novo HB20, de maneira inferior ao que era antes, mas ainda estão lá.

Quando é preciso levar o motor a rotações mais altas, é possível notar que o barulho invade a cabine. Em subidas ou trechos de estrada na serra isso pode ser um pouco desconfortável. 

Com relação às vibrações, elas só ocorrem quando se faz necessário elevar as rotações, portanto ocorrem de maneira pontual e não o tempo todo. 

Conclusão

Quando fazemos análises de prós e contras de qualquer tipo de modelo um bordão muito utilizado por aqui é o de que não existe nenhum veículo 100%.

Sempre vai existir algum ponto onde determinado veículo vai ter algum nível de falha que não atenda às expectativas do público e com o HB20 também é assim. 

Como é simples notar, o HB20 possui pontos muito mais positivos do que negativos. 

Inclusive dentre os aspectos “ruins” aqui apresentados, dois deles são totalmente opinativos, que dizem respeito ao preço e a presença de acessórios. 

Dessa maneira, é possível afirmarmos que o HB20 é sim uma ótima compra e quem diz isso são os números de vendas do modelo. 

Agora que você já conhece todos os prós e contras do Hyundai HB20 que tal conhecer as melhores formas de comprar um exemplar para colocar na sua garagem? 

Para isso, é só clicar no botão abaixo! 

Redator especialista em carros, se identifica com conteúdos relacionados a lançamentos e análises de veículos e acredita que compartilhar conhecimento na área ajuda todos a tomarem melhores decisões em busca do veículo ideal para cada tipo de perfil.

Listas

Nacionais que não fazem falta: Os 10 piores carros produzidos no Brasil

Conheça os piores carros produzidos no Brasil e evite-os a todo custo!

por

Murilo C.

Publicado em

| Atualizado em

Automóveis despertam uma paixão natural em muita gente e isso pode ser um problema, pois leva muita gente a pensar com a emoção e não com a razão. O fato de ser passional já fez muita gente comprar os piores carros produzidos no Brasil.

Embora passional, o consumidor brasileiro também é exigente. Uma matéria da revista Exame mostrou há anos que as montadoras se preparam para atender clientes cada vez mais exigentes. 

Piores carros produzidos no Brasil

Em tempos de crise muita gente pode acabar vendendo seu carro e comprando um carro usado como forma de manter as contas em dia, mas para isso alguns cuidados devem ser tomados. 

Como forma de refrescar a memória de muita gente e evitar trocas ruins, nós do Senhor Carros fizemos uma lista com aqueles que são os 10 piores carros nacionais já produzidos. 

Para saber quais são eles é só continuar a leitura do artigo de hoje!

Os 10 piores carros produzidos no Brasil

Conheça agora quais são os 10 piores carros produzidos no Brasil.

10. Fiat Marea

Sim! O Marea vai estar em toda lista de carros ruins. O modelo é uma unanimidade quando o assunto é carro problemático e infelizmente o modelo justifica essa horrorosa fama. 

A principal discrepância de qualidade é a necessidade de se tirar o motor por completo para para trocar uma simples correia dentada. Mas os problemas não param por aí.

Fiat Marea
Fiat Marea

Os modelos e versões do Marea tinham alguns erros inaceitáveis de projetos. Ou seja, a FIAT o tratava com um verdadeiro Frankenstein. 

Um exemplo clássico disso é o modelo 2005 que tinha um motor 2.4 de 160 cavalos e um câmbio automático de apenas 4 marchas. Além disso, o Marea é conhecido por explosões e fogo sob o capô. 

Sem sombra de dúvidas é um modelo que merece estar presente em nossa lista. 

9. Fiat Tipo

Na nona posição temos mais um veículo da montadora italiana que ficou famoso pela sua má qualidade. 

Assim como o Marea o Tipo teve a imagem manchada por casos de incêndio. Um problema nas mangueiras do sistema hidráulico da direção, fazia com que um líquido inflamável fosse despejado no motor. 

O Resultado: Fogo! Já pensou estar dirigindo e o carro começar a pegar fogo? Não dá, né?

Fiat Tipo
Fiat Tipo

O Tipo foi lançado em 1988 e até 1991 contava com uma série de opções de motor e potência. Teve até modelo movido a diesel. 

Em 1993 o Tipo passou por uma renovação e ganhou até mesmo uma versão com três portas (muito antes do Veloster). Em 1994 o modelo recebeu melhorias de segurança, até sair de linha em 1995, sendo substituído pelo Bravo. 

Até hoje o Tipo é visto como um dos piores carros produzidos por aqui. Sendo assim você deve evitá-lo a todo custo.

8. Fiat Freemont

Não. Essa lista não tem apenas carros da Fiat. Mas o Freemont é mais um caso que precisa ser citado. Principalmente os modelos mais antigos. 

Embora seja um carro amplo e com bastante espaço sendo uma ótima opção para famílias é mais um exemplar dentre os piores carros brasileiros. 

Fiat Freemont
Fiat Freemont

Muito semelhante ao Dodge Journey quando lançado contava com uma opção de câmbio automático com apenas 4 marchas. Algo que acabava com seu desempenho e aumentava o já alto consumo de combustível.

Se você gosta muito do design e o espaço do Fiat Freemont é um atrativo para você nossa sugestão é que busque as versões mais novas que passaram por melhorias no câmbio, consumo e potência. 

Caso contrário as chances de você passar raiva e virar sócio dos postos de gasolina são grandes.

7. Troller Pantanal

Além de ruim, o Troller Pantanal é um desconhecido de muita gente por conta do seu baixo número de vendas. Apenas 77 unidades foram vendidas, uma verdadeira vergonha. 

Troller Pantanal
Troller Pantanal

O Modelo foi produzido durante os anos de 2006 e 2008 e passou por um recall pelo simples fato de que sua estrutura poderia se desfazer de uma hora para outra enquanto estivesse andando. 

Hoje os modelos são comercializados são vendidos a preços MUITO baratos, mas não caia em tentação. Se você se deparar com um Troller Pantanal à venda você só deve fugir. 

6. Hyundai Veloster

Aqui temos um exemplar que causou muita confusão e sofreu com críticas pesadas da mídia especializada na época em que ainda era vendido. 

O Veloster era bonito e contava com bom acabamento interno e externo. Porém era chamado pela montadora de esportivo. 

Hyundai Veloster
Hyundai Veloster

A Hyundai anunciou que o motor dispunha de 140 cavalos quando na verdade possuía “somente” 128. Muitos proprietários se sentiram lesados e processaram a montadora que precisou pagar multa por propaganda enganosa. 

A falta de potência do motor aliada ao escândalo fez o modelo se tornar um dos piores carros produzidos no Brasil. Afinal ninguém gosta de ser enganado.

5. Lada Laika

O Laika chegou ao Brasil no início da década de 1990 e tinha na confiabilidade mecânica o seu ponto alto. Além disso a tração traseira fazia do modelo uma opção interessante e divertida de dirigir.

Lada Laika
Lada Laika

Entretanto embora fosse produzido no Brasil o modelo foi desenvolvido com tecnologia para rodar com gasolina pura, assim como era na Rússia seu país de origem. Por aqui a gasolina era diluída com etanol e isso acabou com o desempenho do Laika. 

4. Peugeot Hoggar

A Peugeot Hoggar é outro exemplo crônico de carro ruim fabricado em solo nacional. 

A pequena picape foi produzida para brigar com Montana, Saveiro e Strada. Sendo as duas últimas líderes de no segmento. 

Peugeot Hoggar
Peugeot Hoggar

Sem nenhum tipo de experiência anterior no segmento de pequenas picapes a Hoggar se mostrou fraca e com alto consumo de combustível quando estava com a caçamba carregada. 

Além disso muitos exemplares sofrem um desgaste precoce na suspensão. O que aumenta os gastos dos proprietários com manutenção muito antes do considerado ideal. Por isso é um modelo com lugar cativo em nossa lista. 

3. Citroen Xantia

Muito do receio que os brasileiros possuem com os carros da Citroen é proveniente de tempos antigos e o Xantia tem sua parcela de culpa nisso. 

O Xantia era considerado um carro à frente do seu tempo quando foi produzido. Com uma ampla gama de itens de série até agradava em um primeiro momento. Mas se seus proprietários precisassem de mão de obra especializada estavam literalmente perdidos.

Citroen Xantia
Citroen Xantia

Com tecnologia alta para a época e com componentes sofisticados eram poucos o que sabiam mexer nos seus sistemas elétricos e hidráulicos. E isso fazia qualquer tipo de reparo se tornar uma fortuna! 

Além do mais seus motores eram fracos para época quando comparados aos concorrentes nacionais já consolidados como era o caso do Volkswagen e Chevrolet, por exemplo. 

2. Simca Chambord

A Simca era uma montadora francesa que produziu carros no Brasil entre as décadas de 50 e 60. 

A montadora quis trazer aos brasileiros veículos com linhas americanas e conseguiu! Pelo menos em teremos de visual. 

Simca Chambord
Simca Chambord

O Simca Chambord que ganhou até música era bonito e espaçoso mas não andava nada. O modelo que era pesado possuía sob o capô um motor V8 com míseros 80 cavalos que era insuficiente para empurrar nas ruas e estradas. 

Nos dias atuais até mesmo os colecionadores fogem do Simca Chambord e o consideram um dos piores carros já produzidos em terras nacionais 

1. Gurgel BR 800

E como não poderia faltar temos também o Gurgel. 

Lançado em 1987 o Gurgel BR 800 tinha uma proposta louvável: ser um modelo barato, popular e 100% nacional. 

Na época o objetivo era fazer com que o modelo não custasse mais de 3 mil dólares. Mas por conta de uma série de problemas fiscais o modelo acabou sendo lançado na média dos 7 mil dólares. 

Gurgel BR 800
Gurgel BR 800

Apelidado de feinho até hoje, o modelo rodava incríveis 25 km por litro, não tinha correias e dispunha de refrigeração à água. No entanto não deslanchou em vendas. 

Sua performance era ruim e seu preço ficou muito semelhante aos de concorrentes da época, como é o caso do Uno Mille. Assim, o BR 800 é considerado por muitos até hoje como um dos piores carros produzidos no Brasil. 

Conclusão

Agora queremos saber a sua opinião. Concorda ou discorda com a nossa lista? Deixe um comentário contando quais são os seus motivos. 

Depois de conhecer os piores carros produzidos no Brasil, que tal conhecer modelos raros produzidos aqui que você nem sabia que existiam? Para saber quais são eles é só clicar no botão abaixo.

Continuar Lendo

Em Alta