Artigos

Fim do motor a combustão: 10 montadoras que vão abandonar a gasolina

Conheça 10 montadoras que darão fim no motor a combustão para apostar nos elétricos!

por

Murilo C.

Publicado em

| Atualizado em

ANÚNCIOS

Fim do motor a combustão se aproxima

Já sabemos que o fim do motor do a combustão está próximo e que o futuro da indústria automotiva é elétrico. Apenas em 2021 uma série de montadoras estabeleceram metas ousadas de eletrificação de seus veículos, sendo que a maioria anunciou que boa parte da linha vai ser híbrida ou totalmente elétrica dentro dos próximos 10 anos. 

Conteúdo Recomendado
Beepbeep

Alugue um carro elétrico com Beepbeep

Conheça a Beebbeep locadora de veículos elétricos e dirija um modelo 0 emissão

Por via das dúvidas, é melhor ir preparando a tomada de casa, porque já para o ano de 2025 existem promessas de uma eletrificação grandiosa por parte de fabricantes de luxo e também de empresas generalistas. 

Alie a isso tudo o preço dos combustíveis, sejam fósseis ou não, como o diesel, a gasolina ou álcool e temos cada vez mais um ambiente propício ao para o fim do motor a combustão. 

Se você tem em mente comprar um carro nos próximos cinco anos, nossa sugestão é a de que leia o nosso artigo e espere um pouco.

Bora descobrir quais são as montadoras que estão aderindo à eletrificação?

10 montadoras que decretaram o fim do motor a combustão

Como muita gente já sabe, não é segredo algum que muita gente tem migrado rumo à eletrificação ou à hibridização e com isso acabam por decretar, mesmo que involuntariamente, o fim do motor a combustão.

Mas o que a maioria não sabe é quais são essas fábricas e marcas que estão seguindo rumo à energia elétrica.

Como nosso objetivo é sempre te manter informado sobre o mercado automotivo, separamos agora, as 10 principais montadoras mundiais que prometeram matar o motor a combustão como conhecemos (e gostamos). 

Bora começar? 

10. Renault

Uma das montadoras que mais vêm decretando o fim do motor a combustão é a Renault!

Desencana de Logan, Duster e companhia limitada movida à gasolina ou álcool dentro de duas gerações. 

A montadora francesa já deixou bem claro que não quer mais saber de motor tradicional já há algum tempo. 

O CEO do grupo francês foi mais do que enfático ao dizer que a empresa não vai mais produzir novos propulsores puros a combustão.

Os que existem serão modernizados e atualizados para atender às normas de emissões até que sejam descontinuados, o que não deve demorar para acontecer. 

A meta da montadora é ser a marca mais verde europeia e ter 90% de carros elétricos no mercado global até o final da década.

Zoe é carro chefe da eletrificação da Renault

Inclusive, todos os lançamentos anunciados até 2025 para o continente europeu terão versões elétricas. 

Dessa maneira, os motores a gasolina e diesel da Renault vão ser substituídos pelos híbridos das famílias E-Tech Hybrid e E-Tech Plug-in. 

Lá fora, esses motores já equipam versões do Clio, Captur, Mégane e do recém-lançado crossover médio Arkana.

Aqui no Brasil, o veículo elétrico mais conhecido da montadora é o Zoe, que inclusive apresentou bons números de vendas recentes. 

9. General Motors

Quem diria que a gigante norte-americana GM que literalmente bebe petróleo faria parte dessa lista, não é mesmo?

Pois bem. Ela é mais uma que está decretando o fim do motor a combustão. 

De acordo com a fabricante, serão investidos cerca de US$ 27 bilhões até o ano de 2025 para o desenvolvimento de nada menos do que 30 novos modelos elétricos. 

Como parte da estratégia de eletrificação está a nova plataforma Ultium de baterias, que servirá a todos os próximos veículos elétricos das marcas do grupo:

Chevrolet, Buick, GMC e Cadillac.

De acordo com a GM, a intenção é de que seus veículos tenham mais de 700 km de autonomia. 

É importante lembrar que recentemente, a montadora lançou a nova geração do Bolt com direito a uma variação crossover e ressuscitou a Hammer como uma picape 100% elétrica.

Além do mais, a empresa tem firmado parcerias com outras fabricantes, como a Honda, para a produção de um crossover elétrico no México. 

8. Nissan

A marca japonesa já avisou que todos os seus lançamentos até 2030 terão versões elétricas. 

E a partir de 2031, a Nissan quer oferecer apenas veículos elétricos na Europa, EUA, China e Japão. Ou seja, mais uma a decretar o fim do motor a combustão. 

A estratégia da montadora japonesa passa também por inovações em baterias, desenvolvimento de ecossistemas elétricos e inovações em termos de processo e eficiência energética. 

O objetivo da montadora é atingir a neutralidade das emissões de carbono até 2050 em produtos e operações.

Na linha de veículos, o destaque atual é o Leaf, que hoje é o carro elétrico mais popular do mundo  com mais de 500 mil unidades vendidas. 

Nissan Leaf: mais de 500 mil unidades vendidas!

Além disso, a marca comercializa modelos híbridos com a tecnologia e-Power - sistema em que o motor a combustão abastece o elétrico que movimenta o carro mas não traciona o veículo. 

Há também a famosa van NV200 em sua variante movida a hidrogênio, cujas células de combustível são alimentadas por um motor a etanol.

O modelo começou a ser desenvolvido no Brasil em 2015 e hoje está em testes no Japão. 

7. Volvo

A marca de origem sueca, mas que hoje é controlada pela chinesa Geely, não brinca em serviço quando o assunto é eletrificação e emissão zero. 

Sendo mais uma a decretar o fim do motor a combustão, a empresa já deixou claro que até 2030 só vai vender carros elétricos. 

É isso mesmo. Dentro de nove anos, os carros da marca serão apenas 100% elétricos. 

Atualmente, a Volvo é hoje uma das empresas com maior ofensiva nesse sentido e o Brasil não foi deixado de fora. 

Hoje somos o segundo mercado da Volvo no mundo e contamos com híbridos, híbridos plug-ins e os puramente elétricos. 

Inclusive, os dois novos modelos elétricos da empresa já são realidade.

O XC40 na versão Recharge Pure Eletric já pode ser comprado em concessionárias brasileiras da marca e no ano que vem teremos à nossa disposição o C40 apenas na versão elétrica. 

6. Volkswagen

O projeto de eletrificação da marca que dá fim do motor a combustão foi batizado pela empresa alemã de “accelerate”.

E o projeto está realmente acelerado. 

Até o ano de 2030 a empresa quer ter a participação de mais de 70% no mercado de carros elétricos da Europa. 

Apenas para efeito de comparação, em 2016, essa mesma meta apontava apenas 35%.

Essa mudança de objetivos tem a ver com o próprio ritmo de lançamento que a montadora tem prometido. 

Agora em 2021 serão três os modelos elétricos a ser lançados:

O crossover com tração integral ID.4 GTX; o SUV que mais parece um cupê ID.5 e o utilitário esportivo grandalhão ID.6. 

No ano que vem, será lançado o aguardado ID.Buzz que é considerado a nova geração da Kombi. 

Para mercados onde os combustíveis fósseis ainda devem se manter por um maior período, como é o caso do Brasil e dos EUA e do continente africano, por exemplo, a VW fez uma promessa:

Manterá versões à combustão, mas com configurações híbridas. Isso dá uma sobrevida, mas por tempo curto. 

5. Honda

O plano de eletrificação da Honda vai ocorrer de maneira gradativa e bem pontuada.

Embora a montadora tenha sido mais uma a decretar o fim do motor a combustão, isso vai ocorrer aos poucos. 

A marca japonesa quer que dois terços do seu portfólio seja de modelos híbridos até o fim de 2030. 

Mas a estimativa é que a totalidade de suas vendas seja de carros até 2040 seja apenas de elétricos.

Recentemente a montadora anunciou um investimento equivalente a R$ 225 bilhões nos próximos anos em pesquisas e desenvolvimento de eletrificação.

Esse foi um dos motivos pelo qual a montadora vai sair da F1 como fornecedora de motores ao término deste ano. 

Pelas contas dos japoneses, em 2035 os elétricos vão representar 80% do mercado de automóveis nos mercados da Europa, América do Norte, Japão e China. 

No Brasil a estratégia é recente. 

A marca acabou de apresentar no mercado o Accord renovado em uma versão única e híbrida a e-HEV. 

Além disso, a montadora prometeu mais dois híbridos por aqui até 2023.

Trata-se do crossover CR-V e da próxima geração do Civic. Como mencionado, eles serão comercializados apenas em configurações que combinam motor a combustão e elétrico. 

4. Audi

A exemplo do que foi dito pela Renault, a Audi também já mandou o seu recado: “não vamos mais desenvolver novos propulsores a combustão”

Com isso, temos mais uma montadora que decretou o fim do motor a combustão de maneira reta e direta. 

A marca das quatro argolas tem como objetivo vender apenas veículos puramente elétricos a partir de 2035. 

Migração da Audi para o elétrico já começou!

Além dos diversos veículos híbridos já disponíveis, a marca de luxo já conta com uma linha de elétricos que foi batizada de e-tron que é composta por um SUV, um Sportback e por um cupê esportivo. 

Todos inclusive já estão à venda ou em pré-venda no Brasil. Em 2022 a montadora lançará também o Q4 e-tron.

3. Jaguar e Land Rover

Outra marca de luxo já está em ritmo mais avançado e ousado dentro da eletrificação. 

A Jaguar, anunciou de maneira oficial que terá apenas veículos elétricos já a partir de 2025. 

Uma meta mais do que ambiciosa, uma vez que o único modelo puramente elétrico da marca é o I-Pace. 

Para alcançar esse objetivo de decretar o fim do motor a combustão, o grupo indiano Tata Motors, dono da Jaguar e Land Rover vai investir R$ 18 bilhões por ano para eletrificar suas linhas. 

Para a marca de utilitários esportivos e 4x4, a eletrificação será completa a partir de 2030. 

Ou seja, não existirão mais os famosos Land Rover a diesel e muita gente vai ter que aprender a lidar com isso. 

A marca terá à disposição do público seis versões elétricas para seus modelos já existentes nos próximos cinco anos, sendo que o primeiro Land totalmente EV será lançado em 2024.

2. Ford

Outra gigante que decretou o fim do motor a combustão optando pela eletrificação foi a Ford. 

A montadora estadunidense quer que toda a sua linha de veículos de passeio seja zero combustão até 2030, mas aqui cabe uma ressalva: na Europa a meta é ter só elétricos até 2026. 

Os comerciais leves como picapes, vans e furgões também não vão escapar da eletrificação. 

A marca planeja que até ⅔ dos seus veículos comerciais sejam elétricos ou híbridos até o fim da década. 

Mustang: clássico a combustão agora elétrico

Essa eletrificação faz parte do pacote de investimento de US$ 22 bilhões para os próximos quatro anos. 

A fábrica da marca em Colônia na Alemanha já começará a produzir veículos 100% elétricos em 2023. 

É importante lembrar que a marca lançou em 2019 o Mustang Match-E, seu primeiro modelo totalmente elétrico, que deve chegar por aqui ainda esse ano. 

1. BMW e Mini

A famosa marca alemã é mais uma a decretar o fim do motor a combustão.

A promessa é de 25 modelos totalmente elétricos até 2023, fruto de um investimento de mais de 30 bilhões de euros em pesquisa e desenvolvimento em mobilidade elétrica até 2025. 

Daqui a quatro anos, está programado o desenvolvimento de uma nova geração de motores elétricos. 

Entre os novos produtos 100% elétricos temos o novo i4 e o controverso iX. 

Nos próximos anos, a BMW também irá apresentar verões elétricas de modelos famosos como o série 5 e o X1 dentro da meta de ter uma opção elétrica para 90% do portfólio. 

Além disso, outra integrante do grupo bávaro é quem vai ficar 100% elétrica até mesmo antes da marca principal.

A Mini, só terá elétricos a partir de 2030, segundo uma promessa feita pelo próprio presidente da BMW, Oliver Zipse.

A marca britânica comprada pela BMW já tem até o ano de despedida do seu último carro puramente movido a combustão: 2025.

Conclusão

Já sabemos que o fim do motor a combustão é mera questão de tempo. 

Em países de primeiro mundo, veículos elétricos serão uma realidade dentro de um curto espaço de tempo. 

Aqui no Brasil, por conta da suficiência de petróleo e etanol, o esperado é que veículos híbridos sejam uma realidade dentro de um médio prazo, deixando os elétricos para um futuro um pouco mais adiante. 

Agora que você já sabe que o fim do motor a combustão está próximo, queremos te perguntar:

Você já dirigiu um carro elétrico?

Sabia que é possível dirigir um veículo 100% elétrico sem precisar gastar rios de dinheiro?

Ficou interessado? Quer saber mais?

Então clique abaixo e descubra como isso é possível!

Conteúdo Recomendado
Beepbeep

Alugue um carro elétrico com Beepbeep

Conheça a Beebbeep locadora de veículos elétricos e dirija um modelo 0 emissão

Murilo C.

Redator especialista em carros, se identifica com conteúdos relacionados a lançamentos e análises de veículos e acredita que compartilhar conhecimento na área ajuda todos a tomarem melhores decisões em busca do veículo ideal para cada tipo de perfil.

Artigos

Volkswagen Gol 2021: Depois de 40 anos modelo continua funcional!

por

Murilo C.

Publicado em

| Atualizado em

Tudo sobre o Gol 2021

Gol 2021

O Gol 2021 chegou de maneira discreta e sem fazer muito alarde. Logo após fazer 20 anos, o modelo que já foi considerado o queridinho de muita gente, perdeu o valor e o status de popular, o que não quer dizer que ele não seja um veículo funcional. 

Pensando em te manter informado, nós do Senhor Carros vamos voltar no tempo e te mostrar a história desse quarentão, além de te mostrar o que há de novo, no modelo 2021.

Ficou curioso? Então, não deixe de conferir o artigo a seguir! 

Linha do tempo do Volkswagen Gol

Como citado em maio, o modelo da Volkswagen completou 40 anos. Trata-se de idade para ninguém botar defeito, afinal, são poucos os carros que conseguiram se manter no mercado por todo esse tempo sem ser retirado de linha. 

Pensando nisso, fizemos uma linha do tempo, com os maiores feitos do Gol nesse quase meio século de vida. 

1980: idealizado para ser o sucessor do Fusca como carro-chefe da montadora, o Gol é lançado para disputar o mercado contra o Fiat 147 e o Chevrolet Chevette. O modelo era equipado com um motor 1.3 refrigerado a ar e 42 cavalos.

1981: A versão sedã do Gol, o famoso Voyage é lançado com motor 1.5 refrigerado a água, porta-malas espaçoso e um visual diferenciado. Nesse mesmo ano, o Gol passou a ser equipado com novo motor 1.6, ainda refrigerado a ar. 

1982: Chega a vez do lançamento da Parati, que mantém a motorização do Voyage, mas com um porta-malas ainda maior. A motorização é a mesma do Voyage. Ainda em 1982, a montadora lança sob a mesma plataforma o Saveiro. 

1984: É lançado o Gol GT, a primeira versão esportiva do hatch, equipado com motor 1.8 refrigerado a água com 99 cavalos, suspensão mais firme e bancos esportivos. 

1987: Com motores 1.6 e 1.8 AP, Gol, Voyage e Paraty passam por sua primeira reestilização, ganhando novos faróis, para-choques e lanternas. 

1988: A Volkswagen lança o gol GTI, que foi o primeiro carro nacional com injeção eletrônica. O modelo era equipado com um motor 2.0 AP de 112 cavalos. 

Gol GTI
Gol GTI marcou época

1991: O modelo passa pela sua última reestilização, ganhando a frente que é conhecida até hoje como “chinesa”. 

1992: É lançado o 1º Gol 1000.

1994: para enfrentar o Fiat Uno e o Chevrolet Corsa, o Gol chega a sua segunda geração, popularmente chamada de “bolinha”. O exterior e a arquitetura da cabine são novos. Seus motores eram de 1.0 com 50 cavalos, 1.6 de 76 cavalos e 1.8 de 91 cavalos. Neste ano, o Voyage também foi descontinuado. 

1999: A segunda geração, que ainda fazia uso da plataforma da primeira passa por mais uma renovação visual e é batizada de G3, deixando todo o conjunto ótico mais reto e alinhado. No interior o destaque fica por conta do painel de instrumento, muito semelhante aos utilizados pelos veículos da Audi na época. No ano seguinte, Gol e Parati ganham motor 1.0 turbo. 

2003: É lançado o primeiro Gol Total Flex, o primeiro carro bicombustível do Brasil.

2006: A linha 2006 passa a ser comercializada como G4, embora não passe por uma reestilização verdadeira. O conjunto ótico reto até então, volta a receber contornos arredondados. 

2008: Os designs externos e internos sofrem profunda alteração e os motores 1.0 e 1.6 da família EA 111 passam a ser utilizados. A produção do Voyage é retomada.

2009: A renovação de design chega à Saveiro, que ganha uma versão inédita com cabine estendida. Gol e Voyage ganham câmbio automatizado I-Motion;

2011: O Gol chega aos 25 anos de liderança no mercado nacional. A marca gera uma versão especial para 2012.

2012: O Gol passa por mais uma reestilização e passa a ficar parecido com o Fox. O modelo ganha também a versão ecológica Bluemotion.

2014: Versão Rallye estreia motor 1.6 de 120 cavalos. No mesmo ano, o reinado de liderança de vendas do Gol chega ao fim, com o Fiat Palio assumindo o posto.

2016: O Gol abandona o motor 1.0 de 4 cilindros e dá espaço para a chegada do motor 1.0 de 3 cilindros. O visual passa por pequenos retoques e uma nova central multimídia, passa a ser oferecida como item opcional. 

2020: Modelo comemora 40 anos de vida, ainda tendo lenha pra queimar. 

As novidades do Gol 2021 começam pela segurança

A principal novidade do Gol 2021 foi a adoção dos itens de segurança considerados obrigatórios para o mercado brasileiro. Ou seja, a montadora se viu na obrigação de adotar esses equipamentos. 

A partir do modelo 2021, o Gol passa a dispor de cinto de segurança de três pontos e encosto de cabeça para todos os ocupantes, além do sistema de fixação Isofix para as cadeirinhas infantis. 

Visual externo mais robusto

Como é possível notar, o Gol 2021 é um pouco mais robusto, e isso é fruto de uma leve reestilização adotada ano passado. A dianteira foi redesenhada e passou a trazer o mesmo conjunto utilizado no antigo Gol Track e na Saveiro (que foi quem estreou essas linhas). 

Ainda no exterior, o capô é mais elevado e possui vincos marcantes, com faróis maiores e mais angulares interligados à nova grade, que também é mais ampla. O para-choque por sua vez também passou por reestilização, fazendo com que os faróis de neblina fiquem em uma posição mais elevada. 

Gol lateral
Gol 2021 mudou muito pouco

As laterais seguem sem mudanças. A única alteração são as novas rodas de liga-leve e calotas. Já a traseira não sofreu qualquer tipo de modificação. 

Interior com leve alteração

No interior, as novidades incluem detalhes de acabamento, com um novo grafismo para o painel de instrumentos e novas opções de revestimento para os bancos. Além disso, o Gol 2021 recebeu um novo pacote opcional com edição limitada batizado de Urban Completo II.

Gol 2021
Interior passou por modificações

Esse pacote agrega uma série de itens, como sensor de estacionamento, chave canivete, coluna de direção com ajuste de altura e profundidade, retrovisores externos com ajustes elétricos, faróis de neblina, conjunto elétrico e rodas de 15 polegadas. O pacote custa cerca de R$ 3 mil. 

Além dessas novidades no interior, a central multimídia é outro item que chama bastante atenção. 

Motorização

Na questão de motorização, o Gol 2021 possui as mesmas opções do modelo anterior, um motor 1.0 e dois motores 1.6. 

O motor 1.0 conta com três cilindros e 12 válvulas, com componentes feitos em alumínio, sistema de refrigeração independente para bloco e cabeçote, comando duplo variável de válvulas e sistema de partida que dispensa o tanquinho de gasolina para partidas a frio.

Esse motor rende 75 cavalos a gasolina e 82 cavalos com etanol. O câmbio é manual de cinco marchas. 

O primeiro motor 1.6 é o velho conhecido 8V MSI flex com quatro cilindros, capaz de render 101 cavalos na gasolina e 104 cavalos abastecido com etanol. Para essa motorização, está disponível somente um tipo de transmissão, a manual de 5 marchas que também é utilizada no 1.0.

Motor gol 2021
Gol 2021 tem 3 opções diferentes de motor

E por fim, a segunda opção de motor 1.6 é  moderno 16V MSI Flex de quatro cilindros que equipa o Polo, Virtus e a Saveiro Cross, pertencente à moderna família EA-211, esse propulsor traz bloco e cabeçote em alumínio, quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas variável na admissão. 

Esse motor mais moderno, rende 110 cavalos com gasolina e 120 cavalos com etanol e está acoplado câmbio automático Aisin AQ160 6F de seis velocidades com conversor de torque.

As trocas de marchas podem ser feitas por meio de alavanca ou shift paddles atrás do volante. Há também um modo de condução esportiva. 

As três versões do Gol 2021

O Gol 2021 conta com as seguintes versões:

  • Volkswagen Gol 1.0 manual;
  • Volkswagen Gol 1.6 manual;
  • Volkswagen Gol 1.6 automático.

Volkswagen Gol 2021 1.0

Equipado com motor 1.0 flex de 3 cilindros com 75/82 cavalos e câmbio manual de 5 marchas, essa versão conta com os seguintes itens de série. 

Sistema de freio ABS e EBD, sistema de partida frio, alerta de frenagem de emergência, 2 bolsas de airbags - para motorista e passageiro, alerta sonoro e visual de cinto de segurança, antena no teto, ar condicionado com filtro de poeira e pólen, banco do motorista com ajuste altura, banco traseiro rebatível, chave tipo canivete, cintos de segurança com pré-tensionador, coluna central externa com aplique preto, desembaçador do vidro traseiro, direção hidráulica, faróis com máscara escura, lavador e limpador do vidro traseiro, luz de freio elevada, painel de instrumentos com conta-giros, velocímetro com marcador do nível de combustível, preparação para sistema de som, revestimento dos bancos em tecido, rodas de aço de 14 polegadas, calotas em xisto, suporte para celular, tomada de 12V no console central, travamento das portas e vidros dianteiros elétricos. 

Volkswagen Gol 2021 1.6 manual

Equipado com motor 1.6 flex de 101/104 cavalos e câmbio manual de 5 marchas, essa versão conta com os mesmos itens de série da versão anterior, mais rodas de 15 polegadas com calotas gabro. 

Volkswagen Gol 2021 1.6 automático

Essa versão é equipada com o novo motor 1.6 de 110/120 cavalos e câmbio automático de 6 velocidades e conta com os mesmos itens de série da versão anterior, além do câmbio automatizado. 

Diferentes ofertas de pacotes

Todas as três versões podem ser turbinadas com três pacotes diferentes oferecidos pelas concessionárias. Os pacotes são:

Volkswagen Gol
Gol 2021 conta com diferentes versões e pacotes
  • Urban completo;
  • Interatividade Composition Touch;
  • Interatividade Media Plus.

Pacote Urban completo

Esse pacote conta com sistema de alarme com comando remoto, sensor de estacionamento traseiro, luzes dianteiras e traseiras, alças de segurança no teto, coluna de direção com ajuste e profundidade, retrovisores e maçanetas na cor do veículo, espelhos retrovisores elétricos e com luzes indicadoras de direção integradas, faróis de neblina, lanternas traseiras escurecidas, para sol com espelho iluminado para o motorista e passageiro, rodas de liga leve de 15 polegadas, tampa do porta malas com abertura elétrica, travamento elétrico das portas e vidros elétricos. 

Pacote interatividade Composition Touch

Esse pacote é equipado com I-System com Eco-Comfort, computador de bordo, 4 alto falantes e 2 tweeters, sistema de som com touchscreen com App-connect e volante multifuncional com comando de sistema de som.

Pacote interatividade Media Plus

E esse que é pacote mais básico, conta com 4 alto-falantes, 2 tweeters e sistema infotainment Media Plus, com bluetooth, MP3 e entradas USB, SD-Card e Aux-In.

Desempenho, consumo e dimensões

O Gol 2021 apresenta bom desempenho com qualquer uma das opções de motorização. O 1.0 compacto de entrada apresenta boa disposição em saídas e retomadas, podendo ser considerado até mesmo surpreendente. 

Rodando em cerca de 3.000 rpm na estrada, é possível ter um ótimo rendimento e, termos de consumo, além de força suficiente para se manter embalado em ultrapassagens. 

Gol 2021 frontal
Gol 2021 possui bom desempenho e consumo nas três versões

Já nas motorizações 1.6, como era de se esperar, o desempenho é satisfatório, apresentando força para encarar subidas e realizar ultrapassagens na estrada, mas como é de se esperar, o consumo é mais elevado do que o 1.0. 

As médias de consumo são as seguintes:

Volkswagen Gol 1.0 manual

  • Consumo na cidade: 8,8 km/l com álcool e 12,9 km/l com gasolina
  • Consumo estrada : 10,3 km/l com álcool e 14,5 km/l com gasolina

Volkswagen Gol 1.6 manual 

  • Consumo na cidade: 7,6 km/l com álcool e 11 km/l com gasolina
  • Consumo estrada: 9,2 km/l com álcool e 13,1 km/l com gasolina

Volkswagen Gol 1.6 automático

  • Consumo na cidade: 7,7 km/l com álcool e 11,1 km/l com gasolina
  • Consumo estrada: 9,6 km/l com álcool e 13,6 km/l com gasolina

As dimensões do Gol 2021 são as seguintes:

  • Comprimento: 3.897 mm;
  • Altura: 1.464 mm;
  • Largura: 1.656 mm;
  • Distância entre-eixos: 2.466mm.

Valores

Como era de se esperar cada uma das versões do Gol 2021 possuem valores distintos, sendo o 1.0 o mais barato e o 1.6 automático o mais caro. Os preços são:

  • Volkswagen Gol 2021 1.0 manual: R$ 50.250
  • Volkswagen Gol 2021 1.6 manual: R$ 56.490
  • Volkswagen Gol 2021 1.6 automático: R$ 61.390

Conclusão

Embora tenha a perdido a liderança de vendas em 2012 e ainda não tenha retomado o posto, o Gol 2021 é a continuidade de um modelo muito querido e que ainda é apreciado por muita gente, tendo “teoricamente” muito tempo de vida pela frente. 

Entretanto, previsões indicam que o modelo pode sair de linha no final do ano que vem para dar a lugar a um SUV compacto. Embora a montadora alemã não confirme essas informações, a verdade é que para enfrentar concorrentes como o Chevrolet Onix ou o Hyundai HB20, o Gol precisaria passar por algumas reestilizações estéticas, além de mudanças mecânicas. 

Agora queremos saber a sua opinião. O que você achou do Gol 2021? Você desembolsaria a quantia pedida pela montadora? Sim ou não? Deixe um comentário com a sua resposta. 

E já que estamos falando do veículo da Volkswagen com maior presença de mercado, que tal saber um pouco mais sobre o carro da Fiat com maior presença no comércio automotivo? Estamos falando é claro do Uno! Clique no botão abaixo e leia uma matéria que fizemos sobre a evolução desse popular de peso!

Continuar Lendo

Em Alta