Listas

Descubra quais são os hatches mais econômicos do Brasil

por

Murilo C.

Publicado em

| Atualizado em

Hatches são conhecidos por serem compactos, funcionais, práticos e acima de tudo por conta de sua capacidade de economia de combustível. A exemplo do que ocorre com os SUVs, o setor dos hatches compactos também está repleto de modelos, mas você sabe qual é o mais econômico?

Se você não tem a resposta, fique tranquilo, pois nós do Senhor Carros vamos responder no artigo de hoje quais são os hatches mais econômicos do Brasil. 

hatches mais econômicos do Brasil

Se você está pensando em comprar um hatch compacto, nossa sugestão é que você leia o nosso texto a seguir antes de fechar negócio, afinal, economia nunca é demais, não é mesmo?

Partiu conferir quais são os hatches mais econômicos do Brasil 

ANÚNCIOS

Saiba quais são os 5  Hatches mais econômicos do Brasil

Confira agora nossa lista com os 5 Hatches mais econômicos do Brasil!

5. Chevrolet Onix LTZ 1.0 MT

O Chevrolet Onix LTZ 1.0 possui motor turbo Flex de três cilindros e uma coisa podemos falar para você: Ele anda bem e gasta pouco, mérito também de sua caixa de câmbio de seis velocidades. 

Embora não tenha injeção direta, as respostas do motor são rápidas e precisas, além disso há uma curiosidade. O motor entrega 116 cavalo tanto no etanol, quanto na gasolina, entretanto, quando abastecido com álcool, é possível sentir um torque um pouco mais forte. 

O Motor, batizado de Ecotec possui funcionamento suave e boa resposta em baixa rotação, circulando tranquilamente entre 1.500 e 1.000 rpm sem pedir arrego. O torque é ótimo, mas o limitador o corta em 6.000 rotações por minuto, mas até lá o turbo fica cheio e responde de maneira pronta ao acelerador, deixando o motorista à vontade em todas as marchas. 

Onix
Chevrolet Onix LTZ 1.0 MT

Nas retomadas, mesmo como uma transmissão não esportiva, o Onix LTZ não fica devendo para carros com motor maiores do que o famigerado 1.0. Os engates são suaves e funcionais e dificilmente será necessário “encaixar” alguma marcha. Trancos praticamente não existem. 

No dia a dia o câmbio manual é mais do que o suficiente, assim como sua embreagem que é bem macia. Como citado, o modelo possui seis marchas, sendo a sexta recomendada para manutenção de giro em estrada, capaz de causar economia. 

E por falar em economia, esse que é um dos hatches mais econômicos do Brasil, possui uma média combinada de 13,9 km/L. 

4. Fiat Argo Drive 1.0

O Argo Drive 1.0 possui sob o capô o valente motor Firefly 1.0 6V Flex, com três cilindros aspirados capaz de gerar 72 cavalos com gasolina e 77 com etanol, e é ele que faz o modelo entrar na lista dos hatches mais econômicos do Brasil. 

O motor surpreende por conta do seu torque. Inclusive sua força aparece por volta das 2.500 rpm, não sendo necessário esgoelar o motor para que se obtenha um bom torque.

Todas essas características fazem do Argo Drive 1.0 um carro esperto que enfrenta tanto o trânsito, quanto a estrada sem grandes dificuldades.

Porém, ele precisa de uma relação íntima com a embreagem, principalmente antes de encarar alguma ladeira ou se precisar parar em alguma subida mais íngreme. 

A caixa de manual da Fiat ainda é algo que deixa a desejar, pois continua imprecisa e de curso longo – longe de ser um exemplo – e, para piorar, ela utiliza o mesmo escalonamento para diferentes motores e modelos, o que acaba por prejudicar a eficiência e entrega de torque de cada um. 

Fiat Argo Drive 1.0
Fiat Argo Drive 1.0

Quando lotado, com pessoas ou com o porta-malas cheio, algumas limitações podem aparecer.

Na estrada, o Argo 1.0 se porta como todo carro dessa potência. Ultrapassagens exigem grandes margens e cautela, pois mesmo com reduções de marchas, o carro pode levar um tempo um pouco mais excessivo para a manobra. 

O consumo combinado do Argo 1.0 é positivo, ficando na faixa de 14,1 km/L. 

3. Fiat Argo Drive 1.3

A medalha de bronze dos Hatches mais econômicos do Brasil e do Fiat Argo 1.3. Como citado, o motor é um moderno 1.3 de quatro cilindros capaz de atingir os 109 cavalos quando abastecido com etanol. 

Seu desempenho surpreende ao apresentar respostas sensíveis com bom torque desde as faixas rotações. Embora a velocidade final não seja o forte dessa versão, o projeto se destaca pela força, que na prática é traduzida com boa dirigibilidade e baixo consumo. 

Fiat Argo Drive 1.0
Fiat Argo Drive 1.3

O desempenho na cidade é muito bom, sendo uma boa opção para encarar subidas sem grandes dificuldades. Na estrada, ultrapassagens são feitas sem a necessidade de grandes reduções, uma vez que, devido ao torque, é relativamente simples manter as velocidades altas em constância. 

E por fim, temos o consumo combinado com média de 14,6 km/L. 

2. Renault Kwid Zen

No segundo lugar dos hatches mais econômicos do Brasil temos o Renault Kwid Zen, que tem sob seu capô um motor 1.0 SCe Flex de três cilindros. O mesmo utilizado em modelos maiores, como o Logan e o Sander, mas com algumas mudanças para simplificar seu funcionamento e consequentemente reduzir seus custos de fabricação. 

O motor do Kwid perdeu o sistema duplo de comando de válvulas variáveis, além do coletor de escape integrado ao cabeçote. Essas alterações deixam a produção mais barata, além de diminuir o peso do conjunto, embora torque e potência também tenham diminuído. 

Quando abastecido com etanol, o motor atinge os 70 cavalos de potência. Já com gasolina, a cavalaria é de 66.

Com um câmbio de seis marchas e torque e potência “diminuído”, o Kwid Zen não tem um desempenho ruim, afinal, o modelo é leve e pesa somente 779 quilos, o que aumenta sua relação peso x potência.

Renault Kwid Zen
Renault Kwid Zen

No geral, o Kwid Zen possui um desempenho digno de um carro 1.0 não tão moderno, e ao rodar com ele é possível concluir que ele foi desenhado com o foco para cidade e não para estradas.  

Por ser muito leve, ele não tem um bom comportamento em velocidades altas, principalmente em rodovias, o que pode passar a impressão de insegurança para seus ocupantes.

No que diz respeito ao consumo, o Kwid Zen apresenta bons números, com uma média combinada de 14,7 km/L.

1. HB20 evolution 1.0 MT

E no topo do pódio dos hatches mais econômicos do Brasil está o HB20 Evolution 1.0 com câmbio manual.

A principal novidade do modelo, como era de se esperar, é o motor 1.0 turbo da família GDI com injeção direta de combustível, três cilindros, turbocompressor e intercooler com 120 cavalos e torque de 17,5 kgfm, tanto com gasolina quanto com etanol. 

O câmbio manual de cinco marchas proporciona trocas precisas e funcionais. O modelo enfrenta tranquilamente os percalços das cidades, e apresenta bom desempenho nas estradas, com facilidade de manutenção de velocidade.

Apenas em caso de ultrapassagem que o modelo precisa de um pouco mais de espaço com reduções mais pesadas. 

Por ter um motor de três cilindros, seu desempenho é semelhante ao do Onix. Entretanto, seu consumo combinado de 15 km/L o coloca no topo da nossa lista dos hatches mais econômicos. 

HB20 evolution 1.0 MT
HB20 evolution 1.0 MT

Depois de conhecer quais são os hatches mais econômicos do Brasil, que tal conferir outra lista interessante feita por nós?

Estamos falando daqueles carros que devem ser evitados em 2020.

Para saber quais são eles, é só clicar no botão abaixo.

Redator especialista em carros, se identifica com conteúdos relacionados a lançamentos e análises de veículos e acredita que compartilhar conhecimento na área ajuda todos a tomarem melhores decisões em busca do veículo ideal para cada tipo de perfil.

Artigos

Carros mais importantes da década: confira 11 modelos que se destacaram

por

Murilo C.

Publicado em

| Atualizado em

Em pouco tempo tudo pode mudar, principalmente quando falamos do universo automotivo. Uma série de lançamentos se destacaram por motivos diversos nos últimos 10 anos no mercado brasileiro. Mas será que você é capaz de se lembrar quais são os carros mais importantes da década?

Carros da década

Se você não se lembra quais são eles, não tem problema. Montamos uma lista daqueles que são considerados os carros mais importantes da década, seja por conta de tecnologia, número de vendas e até mesmo por alterar comportamento dos consumidores. Confira. 

Os carros mais importantes da década

Confira agora os carros mais importantes da década e saiba quais são os motivos deles estarem presentes nessa ilustre lista. 

11. Chevrolet Onix 

Você deve estar se perguntando o por quê o Chevrolet Onix está na lista dos carros mais importantes da década. Pois bem, vamos lá. 

Apresentando em 2012 com a intenção de substituir o Corsa, o Onix quebrou literalmente a hegemonia de dois dominadores da época, o Volkswagen Gol e o Fiat Palio, levando a GM a ser líder no mercado a partir de 2015, algo que não acontecia desde os anos dourados do Monza (1984 a 1986). 

O Onix trouxe em todos os seus modelos (e isso inclui os de entrada), o sistema multimídia MyLink e se manteve soberano mesmo com a chegada da segunda geração do Ford Ka e do Fiat Argo. A nova geração, vem equipada com nova plataforma, motor e equipamentos inéditos no segmento para se manter na liderança por um longo período. 

Chevrolet Onix
Chevrolet Onix 

10. Hyundai HB20

Foi através da Caoa que a Hyundai se tornou conhecida no Brasil ainda quando importava modelos com Azera, Sonata e i30, mas foi também em 2012, com a chegada oficial da marca no país que as coisas começaram a melhorar para a montadora. 

A estreia como fabricante nacional veio acompanhada do HB20, modelo que foi desenvolvido exclusivamente para o mercado brasileiro, com a intenção de bater os líderes da época Volkswagen Gol, Honda Fit e Fiat Palio. 

Com um design único, dotado de bom acabamento e construção nunca vista em um modelo de entrada, o HB20 rapidamente mostrou ao que veio, e se tornou rapidamente vice-líder de mercado. Embora faça parte dos carros mais importantes da década, o modelo vem perdendo o fôlego nos últimos anos.

Hyundai HB20
Hyundai HB20

9. Renault Kwid 

Aqui temos mais um exemplo de um pequeno notável na lista dos carros mais importantes da década. Foi sob o mote de SUV dos compactos, que o Renault Kwid estreou, com a intenção de ser diferentão. 

O projeto indiano da montadora francesa caiu como uma luva no mercado brasileiro, trazendo ao segmento dos mais baratos do Brasil itens como suspensão elevada, airbags laterais, central multimídia e porta-malas com quase 300 litros. 

O motor 1.0 de 3 cilindros com 70 cavalos de potência é outra atração à parte. Com baixo consumo e bom desempenho por conta do seu baixo peso, o Kwid é revolucionário pois é barato de comprar e de manter. Em 2019 ele foi o quarto carro mais vendido por aqui, ganhando de lavada de seu principal concorrente, o Fiat Mobi.

Renault Kwid
Renault Kwid 

8. Volkswagen up! TSI 

Lançado no ano de 2014, o up! trouxe para o segmento dos subcompactos um modelo refinado e com alto nível de segurança. No entanto, isso tinha um preço mais elevado do que seus concorrentes e o brasileiro não se dispôs a pagar. 

Entretanto, no ano de 2015, com a estreia do motor 1.0 TSI - com turbo e injeção direta a história mudou. A potência aliada de economia fez com que o subcompacto da montadora alemã ganhasse uma legião de fãs.

De quebra, o motor se mostrou uma decisão tão acertada que se espalhou para outros modelos, como Polo, Virtus e até mesmo o famoso T-Cross. Depois da Volkswagen, outras montadoras optaram por seguir pelo mesmo caminho e lançaram seus modelos 1.0 turbo.

Volkswagen up! TSI 

7. Fiat Toro 

Depois de falarmos dos pequenos, é hora de aumentar de tamanho no que diz respeito aos carros mais importantes da década e com isso, chegamos ao Fiat Toro. 

A Fiat Toro nasceu da base de um SUV aliada à praticidade de uma picape. Um modelo diferente, que acabou criando um novo segmento no país, que ganhará concorrentes nos próximos anos, uma vez que Ford e Volkswagen já anunciaram lançamentos para enfrentá-la.

O modelo é produzido sob a mesma plataforma dos Jeep Renegade e Compass. Com uma estrutura monobloco, a Toro inovou na abertura da caçamba, com duas folhas e de abertura lateral. Outro ponto que ajudou a conquistar clientes, foi a variedade de versões, tais como motor 1.8 e 2.4 flex; tração dianteira; motor 2.0 turbodiesel; tração 4x4 e câmbio automático de 9 marchas. 

Fiat Toro
Fiat Toro 

6. Honda HR-V 

Antes do HR-V apenas Renault Duster e Ford EcoSport disputavam no segmento de SUVs compactos. 

Até que a Honda resolveu inovar, e com a base do Fit, o HR-V surgiu, com grande apelo no que diz respeito à modularidade do interior, fazendo uso do que chama de Magic Seat o modelo é referência em espaço interno. 

Além disso, acabamento e design também chamam atenção, nesse que é considerado um dos carros mais importantes da década. No ano de 2018 passou por um processo de reestilização e em 2019 ganhou motor 1.5 turbo a gasolina, equipado com câmbio automático CVT. Líder de vendas desde o seu lançamento, o HR-V desbancou seus “irmãos” Fit e Civic para se tornar o carro-chefe da Honda no mercado brasileiro. 

Honda HR-V
Honda HR-V 

5. Jeep Compass 

O Jeep Compass entra na nossa lista de carros mais importantes da década por um critério mercadológico um tanto quanto incomum: é um SUV médio que vendeu mais do que um compacto.

Mesmo sendo (naturalmente) mais caro, o Compass conseguiu deixar seu irmão de plataforma, o Renegade, para trás e mostrou que mesmo com valores mais elevados, um design com bom acabamento e proposta familiar pode sim, atrair compradores. 

O Compass foi responsável por colocar a marca novamente entre as mais desejadas dos brasileiros, além de conquistar uma participação de mercado em seu segmento superior aos 50%.

Jeep Compass
Jeep Compass 

4. Range Rover Evoque 

Aqui temos um modelo que nasceu de um carro-conceito da montadora inglesa e agradou muita gente logo de cara, por isso chegou às lojas no ano de 2011 com poucas mudanças em relação ao seu projeto inicial. 

O Range Rover Evoque está entre os carros mais importantes da década por ter causado impacto em termos de design e isso o fez se tornar um símbolo de status, tanto no Brasil quanto no Mundo. 

Em pouco tempo, o Evoque se tornou o desejo da classe alta e se tornou figura constante em estacionamentos de estabelecimentos de luxos. Seu impacto foi tamanho, que acabou ditando regra para modelos seguintes da Land Rover. Recentemente, ganhou uma nova geração, com apenas leves mudanças visuais. 

Range Rover Evoque
Range Rover Evoque 

3. Toyota Corolla 

A nossa lista com os carros mais importantes da década não poderia deixar de ter um clássico, não é mesmo?

Mesmo com lançamentos consecutivos de SUVs, o Corolla se manteve firme entre a classe média brasileira. Durante a última década, o Corollão (apelido carinhoso), figurou diversas vezes entre os 10 carros mais vendidos do Brasil, chegando a desbancar modelos menores e muito mais baratos. 

Ano passado, o modelo ganhou uma nova geração. Muito mais moderna e com tecnologia híbrida, se tornando o primeiro carro híbrido flex produzido no Brasil (e consequentemente no mundo). 

Atualmente, movido com um motor a combustão que aceita etanol ou gasolina, o sedã ainda conta com baterias que alimentam o seu motor elétrico, diminuindo seu gasto de combustível. Por conta dessa pegada ecológica (e econômica) o Corolla passou a ser ainda mais desejado. 

Toyota Corolla
Toyota Corolla 

2. BMW i3

2019 foi um marco no que diz respeito a eletrificação de automóveis no Brasil, mas foi em 2013 que o BMW i3 deixou sua marca na história e entrou para a lista de carros mais importantes da década. 

Com o visual futurista, o modelo “ostentava” com sua estrutura em fibra de carbono, rodas aro 20 com pneus finos e um motor a combustão apenas para recarga de baterias. O i3 nunca foi barato, é importante dizer, e ainda nos dias de hoje o modelo alemão custa valores exorbitantes. 

Comercializado hoje sem o motor a combustão, o i3 conta com um motor elétrico capaz de gerar 170 cavalos de potência, além de manter a versão com o gerado, um motor de dois cilindros, de 647 cilindradas, que não possui função de movimentá-lo, mantendo, como um veículo 100% elétrico.

BMW i3
BMW i3

 1. Nissan Leaf 

Lançado em 2010, O Nissan Leaf tornou-se o primeiro elétrico da história a ultrapassar as 400 mil unidades vendidas, se consolidando como líder de mudança global por uma mobilidade mais sustentável em todo o mundo 

A segunda geração do Leaf foi lançada em 2017 e ganhou fôlego no que diz respeito a desempenho e autonomia. Entretanto o modelo empolga no quesito aceleração, uma vez que tem excelente torque, aliado ao silêncio a bordo no momento de dirigir. 

O Nissan Leaf possui três modos de condução: Normal, econômico e com regeneração, que inverte a função do motor para desacelerar e recarregar a bateria. O sistema de recuperação energética é acionado por um botão. Divertido e fácil de conduzir, o modelo é uma ótima opção para mobilidade urbana, uma vez que quase dispensa o pedal do freio.  

Desde o seu lançamento, a Nissan estima que os mais de 400 mil Leafs comercializados já rodaram mais de 10 bilhões de quilômetros, o que seria suficiente para economizar quase 4 milhões de barris de petróleo por ano. 

Não é preciso explicar quais são os motivos pelos quais o Nissan Leaf está na lista dos carros mais importantes da década, não é mesmo?

Nissan Leaf
Nissan Leaf

Depois de descobrir quais são os carros mais importantes da década aqui no Brasil, que tal ter acesso a uma lista que é totalmente o oposto do que acabamos de mostrar? Estamos falando da lista dos piores carros já vendidos do Brasil. Se você ficou curioso(a) para descobrir quais são essas bombas, basta clicar aqui.

Continuar Lendo

Em Alta