Connect with us

Artigos

30 carros para evitar de qualquer maneira

Por

Brendo Baker 

| Publicado em

Alguns carros são veículos de locomoção bem atraentes, diferentes, rápidos e chamativos. Entretanto, optar em escolher um automóvel apenas pela estética pode ter um preço grave a se pagar. Existem carros que são baratos na hora da compra mas têm um mantimento caríssimo, e também existem aqueles que são extremamente caros e depois causam um monte de problemas. Todos estes exemplos são detalhes que alguém deve saber e tomar cuidado na hora de escolher um veículo novo, e hoje, o Senhor Carros separou a lista dos 30 carros para evitar de qualquer maneira.

Ficou curioso? Continue lendo e confira!

30. Volkswagen Golf  

Produzido pela Volkswagen, o Golf tem um histórico muito bom no mercado, com excelentes números e bastante autonomia. Até hoje as versões antigas são comercializadas no mercado de usados com bastante força. Porém, dos últimos tempos pra cá o Volkswagen Golf tem deixado a desejar, apresentando preços exorbitantes.

O hatch médio  tem motor 1.0 TSI em sua versão de acesso, e não sai por menos de R$ 91.790. Com teto solar e rodas aro 17, passa de R$ 99 mil. Já o Highline, com motor 1.4 TSI de 150 cavalos sai por R$ 112.190. O hatch médio nem possui rodas aro 17, que são opcionais e, junto com teto solar e o pacote premium, o colocam na faixa de R$ 130 mil.

Volkswagen Golf

29. Volkswagen UP!

Produzido pela Volkswagen, o Up! é um carro que tem ficado ultrapassado nos últimos tempos, possuindo um preço bem acima da média, que claramente perde para concorrentes dos mesmos segmentos que são melhores e ainda mais baratos.

O modelo entrou em conflito até com o próprio Gol. Numa mudança inesperada, o produto foi atualizado e elevado para um nível acima, inclusive do Fox, em termos de preço. O Volkswagen Up! está valendo R$ 62.000, ele tem acabamento interno predominantemente em plástico (com algumas variações de textura) e com lataria aparente nas portas, algo que o consumidor não espera ao desembolsar tal quantia por um carro. Há ainda alguns outros detalhes que deixam a desejar, como a saída de ar central fixa. Além disso, ele deve recursos como vidros elétricos traseiros e central multimídia com tela sensível ao toque.

Volkswagen UP!

28. Honda CR-V

Fabricado pela Honda, o CR-V é um SUV bastante conhecido da marca japonesa, o Honda CR-V não é um carro ruim, pelo contrário, mas seu preço de R$ 189.000 não é nem um pouco atrativo.

Por mais que tenha evoluído em todos os sentidos e ofereça até um motor turbo, o crossover da Honda tem preço acima da média. Tem motor 1.5 turbo de 190 cv, câmbio CVT e tração AWD nas quatro rodas. Porém, para sua infelicidade, há o Chevrolet Equinox Premier 2.0 Turbo, com motor de 262 cv, câmbio de oito marchas e também com tração integral, por bem menos: ele parte de R$ 167.790.

Honda CR-V

27. Chevrolet Montana

Fabricado pela Chevrolet, o Montana é um veículo que já está a bastante tempo no mercado e tem como concorrentes diretos o Fiat Strada e o Volkswagen Saveiro. Mas, o Montana tem perdido força e saindo de linha nos últimos tempos. Ostentando uma plataforma dos anos 90 e com design que não ajuda, ela tem motor antigo e fraco para sua proposta, bem como acabamento simples demais.

O Chevrolet Montana tem ficado cada vez mais fraco no mercado, caindo nos rankings e não agradando ao consumidor. Com certeza este é um automóvel para se evitar, já que a GM tem grandes modelos para continuar mantendo um modelo ultrapassado como este.

Chevrolet Montana

26. Fiat Grand Siena

Produzido pela marca italiana Fiat, o Grand Siena é um veículo parado no tempo. Está há seis anos no mercado e não muda nada, e ainda consegue resistir com o velho fire 1.0 ou 1.4. O Grand Siena tem ficado de fora com a chegada de modelos melhores que conseguem bater de frente em especificações mecânicas, consumo e preço. 

O Grand Siena não possui futuro no mercado. Ele ainda costuma ser comercializado em trocas, leilões e mercados não oficiais, mas se for optar em ter um veículo da Fiat zero km, pense duas vezes se estiver cogitando adquirir o Grand Siena.

Fiat Grand Siena

25. Citroën C3

Produzido pela Citroën, o C3 é um veículo que não é ruim, ele tem ótimos recursos, mas a Citroën recentemente enxugou a linha C3, que, agora, tem apenas três versões, e o modelo de entrada ficou R$ 1.100 mais caro (R$ 55.090). 

O Citroën C3 possui boas especificações, mas o seu consumo não é de chamar atenção e, pelo menos aqui no Brasil, sua manutenção é um pouco desalinhada em questão de preço comparado a outros modelos concorrentes que possuem recursos semelhantes.

Citroën C3

24. Nissan March

Produzido pela Nissan, o Nissan March é outro carro que foi esquecido. Mas o drama maior do compacto da Nissan é o futuro, pois não se sabe se a Nissan vai continuar produzindo o hatch, uma vez que a aposta é que só a nova geração do Versa será vendida no Brasil. 

O veículo não é considerado um carro ruim, pelo contrário, mas o fato dele ser incerto para o futuro causa algumas dúvidas ao consumidor, já que talvez a versão atual seja a última lançada. Este será mais um dos carro a ser esquecido com a enorme chegada de grandes híbridos e carros elétricos no mercado.

Nissan March

23. Chery QQ

Produzido pela montadora chinesa Chery, o QQ é o carro mais barato do Brasil, e talvez essa seja uma das únicas coisas que chamam atenção neste veículo, se não for a única.

O QQ tem uma pequena presença no Brasil, principalmente em classes como C e D, mas pelo fato de ainda ser fraco no país, o consumidor pode ter prejuízo somente com um dano no veículo. Evite comprar este carro e não tenha transtornos, o preço baixo (R$ 26.000) não vale o consumo.

Chery QQ

22. Lifan 530 

A Lifan é uma montadora chinesa, a segunda marca em exportação de automóveis do país. Mas aqui no Brasil seus modelos ainda são quase nulos no consumo da população. O seu modelo 530 é um veículo defasado e quase saindo de linha, já que a proposta do sedã compacto chinês esbarra em sua baixa qualidade e atributos. 

O projeto não é novo e, diferente do X80, ainda tem muitos erros. Está no portfólio da marca mais para fazer número. Não vale a pena comprar o Lifan 530 nos dias de hoje. O veículo não tem futuro e pode gerar transtornos, sem contar que existem concorrentes mais em conta no mercado.

Lifan 530 

21. Fiat Palio Weekend

Produzido pela Fiat, o Palio Weekend é uma das versões do famoso Palio. O Weekend rodou bem durante seus anos dentro do mercado, inclusive, até hoje é uma opção bastante procurada em carros usados. É um veículo excelente, com suas especificações fixas.

Porém, estas especificações se tornaram antigas, e o mercado vem inovando cada Ano que passa. O Weekend já está tão debilitado, que no fim de 2018, vendeu menos de 90 unidades. O veículo está saindo de cena, e não vale a pena comprá-lo.

Fiat Palio Weekend

20. Volkswagen Fox

Fabricado pela Volkswagen, o Fox já foi um veículo bastante aclamado e querido pelos consumidores. Algumas reclamações do modelo acontecem por que em algumas vertentes ele não proporciona a facilidade ao consumidor, como por exemplo, a primitiva direção mecânica. Hoje ele não vale mais o seu preço.

O VW Fox ficou meio perdido no mercado após a chegada do Up! e do Polo. O Fox é vendido atualmente em apenas duas versões: Connect, por R$ 51.490, e Xtreme, por R$ 56.690. Porém, o Polo, carro bem mais moderno e melhor de guiar, parte dos R$ 53.590 em sua versão mais barata com motor 1.0 aspirado. Mesmo a 1.6 MSI é mais divertida e melhor por R$ 5.000 a mais que o Fox mais caro, com preço de R$ 61.150.

Volkswagen Fox

19. Mitsubishi ASX 

A Mitsubishi é uma indústria japonesa, na qual é o 6.º maior construtor de carros do país, trazendo diversos modelos excelentes, como o ASX, que é um ótimo carro. Por este simples fato se esperarava uma evolução melhor ainda, mas isso não aconteceu com o Mitsubishi ASX.

O veículo parou no tempo. Já tem quase uma década que é produzido sobre a mesma plataforma e, apesar de duas reestilizações, carrega um desenho cansado em relação a outros rivais – e até aos demais SUVs da Mitsubishi. O motor 2.0 flex também não empolga, o acabamento é datado e simples, e o pós-venda tem reputação de ser complicado.

Mitsubishi ASX 

18. Fiat Doblò 

Produzido pela marca italiana Fiat, o Doblò é um veículo bastante famoso da marca, que tem presença forte na zona urbana. Seu espaço é de chamar atenção, e este é um dos principais motivos que alguém pensa emadquirir o Doblò - ele é um excelente carro para trabalho e acomodo. 

E como se trata de um veículo simples e relativamente antigo, podemos imaginar um preço em conta, mas essa que é a maior surpresa. Com valores a partir de R$ 84.390, o Doblò não vale o preço, e ainda pode chegar a R$ 95.490. Com esse valor, já dá até para pensar em uma picape média ou, quem sabe, em um SUV médio.

Fiat Doblò

17. Peugeot 308 

Produzido pela montadora francesa Peugeot, o 308 já tem uma estrada longa no Brasil e a falta de uma nova geração faz com que este modelo fique em desvantagem perante os rivais, apesar do bom motor 1.6 THP e do espaço oferecido.

O Peugeot 308 é um carro defasado, já foi ultrapassado por concorrentes melhores e mais acessíveis, e isto não apenas para o Peugeot 308, coni também para o outro modelo da Peugeot, 408.

Peugeot 308 

16. Volkswagen SpaceFox 

Produzido pelo grupo Volkswagen, o SpaceFox chegou no mercado com animação e bastante expectativa, mas ele está saindo de cena. A perua feita na Argentina, acabou de ter a confirmação oficial de sair do Brasil e se despede na versão de acesso com motor 1.6 e opção automatizada. 

O veículo também possui diversos pontos negativos, como constantes ruídos internos devido ao excesso de plástico. O SpaceFox é um carro para se evitar, ele não é ruim, mas existem melhores.

Volkswagen SpaceFox 

15. Ford Focus 

Produzido pela Ford, o Focus tem bastante autoridade no mercado brasileiro. O modelo possui ótimas especificações e chama atenção com o seu design diferenciado na versão hatchback. 

O Ford Focus não tem futuro. Tanto o sedã quanto o hatch logo mais estarão fora de linha na Argentina. A dupla de médios da Ford não terá continuidade na região. Apesar do bom conteúdo e de alguns itens sofisticados, nunca abraçaram o motor EcoBoost, sempre com o Duratec como paliativo.

Ford Focus 

14. Mitsubishi Lancer

Produzido pela Mitsubishi, o Lancer é um modelo compacto da Mitsubishi Motors. No Japão, é chamado Cedia. Em alguns mercados ele é comercializado como Plymouth Arrow. Outro modelo que também não tem futuro e está parado no tempo, é o Mitisubishi Lancer, que tem baixos números e perde rigorosamente para seus concorrentes. 

Não é de hoje que o sedã médio japonês está ameaçado de extinção, mesmo com a atualização em Taiwan. Por aqui, vendeu 1,6 mil no ano passado, mas já com 10 anos de estrada, o modelo ficou desatualizado e não há garantia de que exista por mais tempo.

Mitsubishi Lancer

13. Fiat Mobi GSR

Fabricado pela Fiat, o Mobi GSR é a pior versão do Mobi. O câmbio automatizado é confuso, e parece não entender as reais intenções do motorista. Em uma subida, por exemplo, o subcompacto tarda a reduzir as marchas e passa a impressão de falta de fôlego.

O motor 1.0 de apenas 77 cv de potência do Mobi GSR também não ajuda a vida do citycar fabricado em Betim (MG). De acordo com a fabricante, ele vai de 0 a 100 km/h em eternos 13,9 segundos, mas pode marcar bons números de consumo: 9,8 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada com etanol, e 14 km/l na cidade e 15,9 km/l na estrada com gasolina.

Fiat Mobi GSR

12. Volkswagen Saveiro Robust

Fabricado pela Volkwswagen, o Saveiro Robust é um modelo que “não faz sentido”. Seu preço é muito alto, sem possuir benefícios que façam jus ao preço cobrado. Com o valor estimado de R$ 53.000, o Saveiro Robust não possui direção elétrica e não possui ar-condicionado.

Ele integra o motor 1.6, de 104 cv, sempre com câmbio manual de cinco marchas. Logo em 2019, onde tem vários modelos futurísticos e ainda baratos, a VW oferta um modelo primitivo e de queda em potencial. Evite este modelo.

Volkswagen Saveiro Robust

11. Ford EcoSport Run Flat

Fabricado pela Ford, o EcoSport Run Flat é um veículo lindo, por fora. A maioria dos brasileiros coloca a estética antes da qualidade, e isso resultou com a Ford tirando o estepe da traseira do EcoSport e acrescentar um kit de reparo e pneus run flat em sua linha 2020. Caso o pneu fure, poderá percorrer no máximo 200 km, velocidade não superior de 80 km/h. Trata-se de uma medida emergencial, para que o motorista não seja obrigado a parar o EcoSport para trocar o pneu.

Por conta da ausência do estepe, o cliente poderá equipá-lo apenas com pneus do tipo run flat - que são bem mais caros que os convencionais. Além disso, substituir os pneus por modelos convencionais é proibido no caso do EcoSport, que não pode rodar sem estepe e pneus convencionais por que não foi homologado assim.  

Ford EcoSport Run Flat

10. Renault Captur

Fabricado pela Renault, o Captur é um carro elegante que tem números baixíssimos, e ele ainda se encontra no site da montadora mesmo sem fazer parte da linha de 2020. Um carro só sai de linha quando deixa de ser oferecido, e o Captur, com primitivo câmbio automático de apenas quatro marchas continua no site da Renault.

Isso significa que algumas concessionárias ainda contam com esta versão no estoque. O casamento entre o motor 2.0 de 148 cv de potência e com o câmbio automático de apenas quatro marchas é tumultuado, com trocas muito confusas.

Renault Captur

9. Chevrolet Cobalt Elite 

Fabricado pela General Motors, o Cobalt é um veículo excelente, bastante presente no mercado e com muito sucesso, com detalhes e especificações agradáveis. 

A Chevrolet ainda oferece as últimas unidades da versão Elite de 2019 em seu site. Mas apostar no modelo top de linha pode não ser uma atitude das mais inteligentes, uma vez que os consumidores já ficaram na expectativa da chegada do Onix Sedan. Talvez seja mais em conta esperar pelos modelos previstos que batem de frente com o próprio Cobalt Elite.

Chevrolet Cobalt Elite

8. LifanX60

Produzido pela Lifan, o X60 é um automóvel SUV da marca. No ano de 2014, foi o veículo chinês mais vendido no Brasil com 4.586 unidades de janeiro a dezembro. Por R$ 69.990, é maior que modelos como Ford EcoSport e Chevrolet Tracker e vem bem recheado de equipamentos. Câmera de ré, luzes diurnas, Isofix, central multimídia com GPS e espelhamento de celular, bancos de couro e sensor de luminosidade estão entre os itens.

O problema é que a Lifan tem poucas revendas e o modelo tem fama de manutenção complicada. Além disso, a liquidez é ruim e desvaloriza bem mais que os rivais.

LifanX60

7. Chevrolet Prisma LTZ 

Produzido pela GM, o Prisma é um veículo sedan lançado, em sua primeira versão, no segundo semestre de 2006 e, em sua segunda versão, em fevereiro de 2013. O LTZ não vale o preço, por isso não vale a pena. 

A versão de topo do Prisma sai por R$ 69.690. Isso sem air bags além dos obrigatórios. Para comparação, o Onix com motor 1.3, equivalente ao 1.4 do Prisma, e câmbio automatizado, sai a R$ 60.990, ou quase R$ 9 mil a menos. Pelo mesmo valor, dá para levar o Cronos 1.8 automático, de 138 cv.

Chevrolet Prisma LTZ 

6. Kia Soul 

Produzido pela Kia Motors, o Soul é um hatchback apresentado pela marca sob forma conceitual no NAIAS 2006, tendo alcançado a produção em série dois anos depois. O Kia Soul é um carro compacto projetado pelo centro de design californiano da Kia, revelado no Paris Motor Show 2008, fabricado na Coreia do Sul e comercializados globalmente começando em 2010.

Ele tem um visual interessante e uma série de boas soluções. Porém, parece demais desembolsar R$ 88 mil por um carro com motor 1.6 aspirado de 128 cv e sem uma série de equipamentos importantes.

Kia Soul

5. Toyota Corolla Altis 

Produzido pela Toyota, o Corolla se posiciona como líder isolado no segmento de sedãs médios e também como um dos carros mais vendidos no Brasil. Entretanto, ele é um carro caro e pode se dizer que, considerando o custo benefício, não vale a pena. No caso da versão topo de linha Altis, a situação do Corolla é ainda pior.

A versão de topo custa R$ 118.850, antes os R$ 105.690 da opção abaixo, XE. O motor é o mesmo, assim como o número de air bags, a central multimídia e o banco de couros. O que diferencia o Altis dificilmente vale os mais de R$ 13 mil que ele custa a mais: faróis de LEDs, bancos com ajuste elétrico, ar-condicionado 'dual zone' e limpador de para-brisas com sensor de chuva. Na categoria preços de carros, o Corolla Altis é caro. 

Toyota Corolla Altis 

4. Toyota RAV4

Produzido pela Toyota, o RAV4 é o único crossover da marca japonesa no mercado brasileiro. E a marca parece usar deste artefato para cobrar um preço bastante elevado pelo utilitário-esportivo. Disponível em versão única de acabamento, o RAV4 tem preço sugerido de R$ 149.990.

Ele não é um carro ruim, mas ele é bastante caro, e talvez seja mais em conta escolher outro veículo do mesmo nível de patamar que seja mais acessível ao bolso. O RAV4 é um excelente veículo, mas ele não vale o preço que cobra.

Toyota RAV4

3. Honda HR-V

Fabricado pela Honda, o HR-V, especificamente a versão Touring, sucessor do CR-V.  Por R$ 189.900, a Touring acrescenta apenas faróis com DRL, lanternas de LEDs e sensores de chuvas, crepuscular e de estacionamento traseiro. 

Por mais que tenha evoluído em todos os sentidos e ofereça até um motor turbo, o crossover da Honda tem preço acima da média. Tem motor 1.5 turbo de 190 cv, câmbio CVT e tração AWD nas quatro rodas. Porém, para sua infelicidade, há o Chevrolet Equinox Premier 2.0 Turbo, com motor de 262 cv, câmbio de oito marchas e também com tração integral, por bem menos: ele parte de R$ 167.790.

Honda HR-V

2. Toyota SW4 Diamond 

Fabricado pela Toyota, o SW4 é um utilitário esportivo de porte médio 4x4 da marca. O Toyota Fortuner e o Toyota 4Runner são no Brasil chamados Hilux SW4. É um veículo aclamado que vende muito fácil e apresenta números absurdos, porém a versão Diamond é um verdadeiro absurdo de preço.

A versão topo de linha Diamond tem um dos preços mais absurdos da linha. Custa mais de R$ 270 mil, sendo R$ 11 mil mais caro que o SRX com a mesma motorização, e se diferencia apenas pelo para-choque frontal com proteção plástica, rodas exclusivas de 18 polegadas, sistema de som premium JBL com dez alto-falantes e subwoofer, bancos dianteiros ventilados e acabamento interno em couro bege.

Toyota SW4 Diamond 

1. Honda WR-V EXL

Produzido pela Honda, o WR-V possui uma certa “deficiência” na lista de equipamentos e seu preço é acima do ideal. Este modelo nada mais é que uma versão aventureira do Fit, com visual exclusivo e algumas alterações mecânicas para oferecer uma robustez extra. Por conta disso, deveria custar menos que um crossover “de verdade”.

Mesmo na versão topo de linha, o WR-V não oferece equipamentos como controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, sensores de luz e chuva, entre outros. Diversos desses itens já equipam o novo Fit EXL, que custa menos. Não vale a pena adquirir o Honda WR-V.

Honda WR-V EXL

Gostou desse artigo? Então confira também os 30 carros usados mais vendidos do Brasil!

____CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE____

SIGA NO FACEBOOK

Em alta